Programa na Rádio USP debate o tema do estupro

“Eu entendo o que essa cultura do estupro significa: o homem tem o poder de se apropriar do corpo de uma mulher”, diz Eva Blay.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail
Ana Lúcia Pastore e Eva Alterman Blay - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Ana Lúcia Pastore e Eva Alterman Blay – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
“Vale pensar a cultura do estupro como uma cultura que coloca os papéis de gênero de um modo peculiar na sociedade brasileira, que é muito heterogênea”. A afirmação da antropóloga Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer foi feita durante o programa Diálogos na USP – os Temas da Atualidade, que discutiu nesta sexta-feira a questão do estupro, tema que tem sido recorrente na mídia desde o caso envolvendo uma adolescente de 16 anos, vítima de um estupro coletivo, no Rio de Janeiro.

O programa também contou com a participação da professora Eva Alterman Blay, do Departamento de Sociologia, coordenadora do Escritório USP Mulheres e fundadora do Nemge, Núcleo de Estudos da Mulher e Relações Sociais de Gênero, para quem a sociedade patriarcal brasileira ainda divide as mulheres em santas e putas.

De acordo com um estudo do Ipea, datado de 2011, 527 mil tentativas ou estupros acontecem a cada ano no Brasil: 89% das vítimas são mulheres; 50% têm menos de 13 anos; e 70% dos casos são cometidos por parentes, namorados ou amigos das vítimas, dos quais apenas 10% chegam ao conhecimento da polícia.

Por outro lado, uma pesquisa realizada no ano passado pelo Datafolha indica que 67% da população tem medo de ser vítima de agressão sexual. O levantamento foi realizado em 84 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes.

Bloco 1

logo_radiousp

Bloco 2

logo_radiousp
.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail

Textos relacionados