Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 representam um marco na igualdade de gênero 

A participação feminina será de 48,8% dos atletas. O Comitê Olímpico Internacional (COI) prevê que na edição de Paris em 2024 essa marca chegue a 50% de todos os atletas

 22/07/2021 - Publicado há 6 meses
Por
Arte: Jornal da USP

 

Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2021 terão a maior representação feminina na história dos jogos. Dos atletas que irão competir, 48,8% são do gênero feminino, sendo que todas as delegações de participantes terão ao menos uma atleta em sua delegação. O Comitê Olímpico Internacional (COI) prevê que na edição de Paris em 2024 essa marca chegue a 50% de todos os atletas. Esse aumento inclusivo de atletas do gênero feminino vem acontecendo nos últimos anos devido à adoção de medidas por parte do comitê para combater a desigualdade de gênero no meio esportivo e atingir os objetivos propostos pela ONU. 

“O COI, nos últimos 30 anos, vem fazendo movimentos a fim de melhorar o cenário para todo mundo”, conta William Santana, aluno do Programa de Pós-Graduação em Ciências de Atividade Física da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP. Ele é um dos autores de um artigo que analisa as ações promovidas pelo COI de acordo com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de Igualdade de Gênero da Agenda 2030 da ONU, que foi premiado em um evento organizado pelo Comitê Olímpico da Guatemala juntamente com a Unesco. Através da análise de documentos disponibilizados pelo comitê, os autores procuram entender as medidas promovidas e avaliar a efetividade e execução delas. 

 

Estádio Nacional de Tóquio, onde acontecerá a abertura dos Jogos Olímpicos de 2020 – Foto: Arne Müeseler

Competições mistas

Entre as medidas adotadas, uma delas está na inclusão e aumento de esportes de gênero misto nos jogos. Trata-se de competições em que atletas de ambos os gêneros competem na mesma categoria. Na edição de Tóquio, dos 306 eventos planejados, 18 iram ser de gênero misto, representando 5,4% de todas as competições. Santana comentou um pouco sobre como se deu a introdução desse tipo de competição nos jogos: “Eles criaram os Jogos Olímpicos da Juventude para dar oportunidade para os atletas treinarem. O COI está testando todas as possibilidades de esporte misto nesses jogos, e eles vão mudando a cada edição”.

Nos Jogos Olímpicos da Juventude de 2018, dos 239 eventos que ocorreram, 21 deles eram categorias mistas, algo em torno de 8,7%. Em questão de representação feminina entre os atletas, os Jogos da Juventude atingiram a marca de 50%. Segundo Santana, o COI se aproveita da baixa visibilidade dos Jogos da Juventude e usa isso para testar o funcionamento de diferentes categorias e métodos que possam aumentar a participação feminina nos jogos. O evento acaba sendo como uma espécie de indicativo de quais são os caminhos que o COI deve tomar para o futuro dos jogos. “Esporte é uma vitrine, então tudo que acontece no esporte tende a se refletir na sociedade”, comenta Santana.

Em contrapartida, em seu artigo, os autores ressaltam que enquanto medidas são feitas para aumentar a participação feminina em todas as categorias, ainda existem categorias em que os homens são vetados de participar. Um exemplo é a Ginástica Rítmica que, apesar de alguns países reconhecerem a Ginástica Masculina como categoria esportiva, a Federação Internacional de Ginástica (FIG) não reconhece a modalidade. Para Santana, casos como esse mostram como a questão da igualdade afeta os dois lados de forma diferente. Ele destaca que a falta de aceitação dessas modalidades masculinas em esportes exclusivamente femininos demonstra um preconceito e homofobia em torno dessas situações.  

Participação feminina nas Olimpíadas

Da esquerda para a direita, Katie Ledecky (Natação), Marta (Futebol), Simone Biles (Ginástica) e Shelly-Ann Fraser-Pryce (Atletismo), principais nomes femininos das Olimpíadas de 2020 – Fotos: Agência Brasil, Wikimedia Commons e Flickr

 

A participação feminina foi permitida desde cedo nos jogos olímpicos da era moderna, com algumas limitações. Desde 1900, na Olimpíada de Paris foi permitida a participação de atletas nas competições, junto com os homens e sem direito a receberem medalhas caso ganhassem a prova. Somente na Olimpíada de Amsterdã, em 1928, houve a inclusão da categoria feminina de Atletismo com condecorações iguais às da categoria masculina. De acordo com William Santana, houve um crescimento gradativo, por mais que lento, da participação feminina nos jogos. 

Na década de 90, a participação feminina era em torno de 30% de todos os participantes. “Em 2012, na edição londrina do evento, pela primeira vez foi permitido às mulheres competirem em todas as modalidades, com a  inclusão do Boxe, e todas as delegações participantes tiveram em suas delegações pelo menos uma mulher”, destaca Santana para destacar a evolução dos níveis de participação nos jogos.

Por outro lado, na Olimpíada do Rio, em 2016, só 11% por cento de toda a delegação técnica era composta de mulheres, independente do esporte, incluindo categorias exclusivas femininas, como a Ginástica Rítmica. De acordo com Santana, isso demonstra uma carência de medidas inclusivas tanto na parte administrativa dos jogos quanto nos comitês técnicos. 

Pirjo Haggman nas Olimpíadas de 1976 – Foto: Reprodução/Twitter

A inclusão de mulheres nos quadros administrativos começou tardiamente na história dos jogos, somente em 1981, quando a norueguesa Pirjo Haggman e a venezuelana Flor Isava-Fonseca assumiram funções internas no COI, sendo os dois primeiros membros do sexo feminino a participarem do comitê, após 75 anos de sua fundação. Na década de 90, a participação feminina dentro do COI representava somente 1% do quadro administrativo. Isso fez com que o COI adotasse medidas que promovessem o aumento dessa participação. Segundo Santana, a adoção dessas medidas, num período de dez anos, fez com que a participação aumentasse em 124% em comparação ao cenário anterior. Atualmente, a participação feminina representa 35% dos cargos executivos dentro do COI.

De acordo com dados disponibilizados pelo COI em 2015, a representação feminina nos comitês olímpicos nacionais é de cerca 19,9%. Olhando para o cenário brasileiro, dos 13 cargos que compõem o conselho administrativo do Comitê Olímpico do Brasil (COB), somente um cargo é ocupado por uma mulher. No caso, se trata da presidente da Comissão de Atletas do COB, Yane Marques. Na Comissão de Atletas, metade de seu quadro é ocupado por esportistas mulheres. No entanto, a Comissão de Atletas possui um poder muito mais relacionado com a sugestão de medidas de acordo com a demanda dos atletas de cada esporte, do que poder decisivo. 

O cenário de representação diminui ainda mais analisando-se os quadros executivos das confederações esportivas do Brasil. Das 52 confederações, apenas duas são presididas por mulheres. Entre elas estão a Confederação de Ginástica, cuja atual presidente é Maria Luciene Cacho Resende, e a Confederação Brasileira de Remo, cuja atual presidência é de Magali Moreira, que assumiu o cargo este ano.

Santana ressalta a importância em torno da discussão de gênero para que haja melhorias nos processos inclusivos das mulheres, nas esferas do esporte. Para ele é importante que haja uma autocrítica por parte dos membros do COI e outras entidades esportivas, majoritariamente compostas de homens, para que mudanças efetivas possam ser tomadas para mudar esse cenário.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

Jogos Olímpicos de Tóquio representam um marco na igualdade de gênero na história dos jogos

 

Jogos Olímpicos de Tóquio 2021 representam um marco na igualdade de gênero 

terá a maior representação feminina na história dos jogos


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.