Especialistas falam sobre os mistérios e os encantos do espaço sideral no programa Diálogos na USP

A descoberta de um planeta próximo ao nosso sistema solar traz muita expectativa para os cientistas

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Diálogos na USP – parte 1:

logo_radiousp790px

Diálogos na USP – parte 2:.

logo_radiousp790px

.
Cientistas da Universidade Queen Mary, de Londres, no Reino Unido, anunciaram recentemente que a estrela mais próxima do sistema solar, a Proxima Centauri, é orbitada por um planeta do tamanho da Terra, o Proxima b.

O Diálogos na USP desta semana discute os mistérios e os encantos do espaço, com João Steiner, especialista na área de Astronomia, com ênfase em Astrofísica Estelar e Núcleos Ativos de Galáxias, e Rodrigo Nemmen da Silva, membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências, especialista em astrofísica e astronomia e pesquisador de núcleos ativos de galáxias, buracos negros, raios cósmicos de energias extremas e astroestatística, ambos professores do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP.

João Steiner, à esquerda, e Rodrigo Nemmen da Silva, ao centro - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
João Steiner, à esquerda, e Rodrigo Nemmen da Silva, ao centro – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.

Para João Steiner, a curiosidade que o ser humano tem sobre o espaço não vem de hoje, ela sempre existiu. “A humanidade sempre se perguntou de onde viemos, onde estamos e para onde vamos. E a missão da astronomia é responder a essa pergunta, que parece simples, mas não é. Quanto mais o tempo passa e mais a ciência avança, mais complexa fica a resposta”, diz o professor.

Um dos avanços mais recentes foi a descoberta dos exoplanetas, segundo Steiner. “O número de exoplanetas, ou que orbitam outras estrelas da Via Láctea além do Sol, próximas ou distantes, tem crescido de forma acelerada. Hoje conhecemos mais de 2 mil exoplanetas e temos mais de 2 mil candidatos,” explica.

Apesar de estar  localizado a quatro anos-luz da Terra, o recém-descoberto planeta, o Proxima b, do ponto de vista astronômico é como se estivesse na próxima quadra, diz Rodrigo Nemmen da Silva. “Uma coisa interessante é que ele provavelmente se parece muito com a Terra, e no futuro, se houver algum desastre e colocar em risco nossa espécie, o Proxima b vai ser o candidato a ser nossa casa”, diz Nemmen.

Para ele, existe um diálogo muito interessante entre astronomia e tecnologia. “Os avanços tecnológicos nos permitem abrir janelas para o universo. Para enxergarmos cada vez mais longe do que é possível chegar no universo, temos que ter a tecnologia associada”, finaliza.

 

Diálogos na USP tem apresentação de Marcello Rollemberg, produção de Fabio Rubira e trabalhos técnicos de Márcio Ortiz.

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail