Demora nos julgamentos reflete insuficiência do Poder Judiciário

Segundo estudos, os inquéritos abertos pela Lava Jato até agora levariam no mínimo cinco anos para serem julgados

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

logo_radiousp790
.

Supremo Tribunal Federal - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Supremo Tribunal Federal – Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Nas últimas semanas, o procurador geral da República, Rodrigo Janot, fez um pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para abrir investigações de 83 políticos com provável envolvimento na Lava Jato — maior operação de combate à corrupção já realizada  no Brasil. A nova “lista de Janot”,  como ficou conhecida, foi baseada em delações de executivos e ex-executivos da empreiteira Odebrecht.

Apesar de toda a repercussão, estudos apontam que ações envolvendo o direito penal, como as da Lava Jato, levam cerca de cinco anos e meio  para serem julgadas no Brasil. Seguindo a média, o julgamento dos réus da lista indicada por Janot só seria concluído em meados de 2022.

Evidenciando a insuficiência judicial nacional, mesmo os processos tratados como prioridade acabam levando muito tempo para serem concluídos — o Mensalão demorou cerca de nove anos para colocar ponto final a todos os inquéritos abertos. Embora haja tantos nomes envolvidos, tal morosidade é muito superior em comparação a outros países, o que acaba frustrando a população em seu anseio por justiça política.

Diante de  tanta polêmica abarcando os processos, a Rádio USP conversou com o professor Sérgio Shecaira, da Faculdade de Direito (FD) da USP. Na entrevista, Shecaira esclarece  sobre os motivos da lentidão nos julgamentos e sobre o que poderia ser feito para melhorar esse quadro.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados