Estudantes da USP darão aulas de computação para adolescentes

Iniciativa de alunos do Instituto de Matemática e Estatística quer levar o ensino da computação para a rede pública

Por - Editorias: Extensão
Semana de Computação Social – Foto: Reprodução / IME-USP

.  
Uma iniciativa de alunos do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP pretende levar conhecimentos de programação para crianças e adolescentes da rede pública de educação. Chamado de Tecs, a proposta do projeto é envolver estudantes de graduação na área de tecnologia em prol do bem coletivo e levantar debates sobre os impactos sociais negativos da tecnologia.

A ideia  surgiu quando alunos do Departamento de Ciências da Computação tiveram contato com a TechShift, uma associação de estudantes de diversas universidades dos Estados Unidos que buscam uma sociedade tecnologicamente mais justa. Essa união estudantil possui representantes de Stanford, Brown, Cornell, entre outras. O Tecs é vinculado a esse grupo, o que lhe permite uma grande troca de experiências e consultorias.

O IME tem uma cultura muito forte de grupos de extensão, mas não em atividades que partam da USP e atinjam a comunidade externa, e sim a de ampliar a gama de conteúdos com os quais se tem contato durante o curso. Nosso intuito é atuar nesse sentido, já que a imagem que se costuma ter de cursos de Exatas é a de cursos isolados, de pouco impacto social”, explica Bruna Thalenberg, uma das organizadoras do projeto.

Para o alcance desses objetivos, o grupo pretende oferecer cursos e oficinas para crianças e adolescentes da rede pública de ensino, em escolas próximas ao campus Cidade Universitária, em São Paulo. “A ideia é lecionar computação de maneira interativa, em aulas durante os fins de semanas nas escolas públicas. Também queremos montar uma grade mais aprofundada com os alunos, para quem quiser se aprofundar mais no assunto”, comentou o organizador da frente de educação, Artur Magalhães Rodrigues dos Santos.

Além disso, o projeto visa a reformular a disciplina MAC0213 – Atividade Curricular em Comunidade, oferecida no IME, na qual o estudante de graduação deve participar de ações  voluntárias externas à Universidade para oferecer auxílio na área de programação. “Basicamente, não há aulas presenciais e os alunos têm muita dificuldade em encontrar esses projetos”, afirmou Bruna. Com o programa do Tecs, a disciplina oferecerá atividades e palestras sobre tecnologia em trabalho voluntário, apresentando alguns projetos nos quais os alunos podem trabalhar.

Palestra sobre transparência na Semana da Computação Social, no IME – Foto: Reprodução / IME-USP

Apesar de ter sido fundado recentemente, em setembro de 2017, os organizadores planejam iniciar as atividades regulares do Tecs em março, principalmente o enfoque educacional para crianças e adolescentes da rede pública da região do Butantã. Em novembro, o grupo realizou a Semana da Computação Social, uma série de palestras que mostravam como a tecnologia intersecciona a sociedade.

.Os alunos contam com o apoio do Departamento de Ciências da Computação do IME e da Pró-Reitoria da USP. Vale ressaltar que o grupo é aberto para quaisquer alunos da Universidade que queiram participar do projeto.

Textos relacionados