Saúde Sem Complicações #75: Encurvamento de dedos indica fibrose palmar

A doença, também conhecida como Contratura de Dupuytren, se torna incapacitante ao impedir a extensão dos dedos das mãos

Jornal da USP
Jornal da USP
Saúde Sem Complicações #75: Encurvamento de dedos indica fibrose palmar
/

O podcast Saúde Sem Complicações desta semana recebe Nilton Mazzer, professor do Departamento de Ortopedia e Anestesiologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, para falar sobre a Contratura de Dupuytren, também conhecida por fibrose palmar. Na entrevista, o especialista explica o que é a condição e suas características.

O que é a contratura de Dupuytren?

Doença também chamada de fibrose palmar tem aspecto de “fibrose e retração na fáscia palmar”, onde é comum o “encurvamento de alguns dedos, de um ou de dois, dependendo da gravidade da patologia”, que pode vir acompanhada de nodulação dolorosa, explica Mazzer. A condição, que pode acometer até os dois lados da mão em casos graves, também pode atingir a “fáscia plantar do pé” e o pênis, o que ocasiona a doença de Peyronie. Fáscia é um tecido fibroso que liga a pele com tendões e músculos.

Ainda que a contratura de Dupuytren possa acometer a população em geral, a doença é de conotação genética, é mais comum em indivíduos descendentes de povos nórdicos e europeus, manifestando-se principalmente nos homens. Consumo habitual e excessivo de álcool são fatores de risco para o problema. Além disso, informa o professor, a condição costuma aparecer em torno dos 40 anos de idade, apesar da evolução lenta.

“Não é de uma hora para outra. O nódulo está ali, ele é notado e, quando notado, parece que apareceu naquele momento. Mas, na realidade, ele veio se formando, foi crescendo, foi evoluindo, depois ficou evidente”, afirma Mazzer. Diante do nódulo, “a gente fica sempre vigiando o paciente para ver se ele vai desenvolver a retração ou não”, explica o especialista.

Com diagnóstico clínico, o tratamento da contratura de Dupuytren depende da apresentação da doença, que pode indicar perda funcional da mão ou não. Segundo Mazzer, portadores da fibrose palmar devem saber que a doença “não é uma sentença” e que é possível “uma vida normal”, mas ainda assim, sob a observação médica. Em alguns casos, adianta especialista, é necessário tratamento cirúrgico para impedir a retração da fáscia palmar. 

Os ouvintes podem enviar sugestões de temas e comentários para o e-mail: ouvinte@usp.br.


Saúde sem complicações

Produção e Apresentação: Mel Vieira
Coprodução e Edição: Rádio USP Ribeirão Preto
Edição: Rita Stella
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: terça-feira, às 13h.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS
 

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.