Premiê neozelandesa é um modelo a ser copiado

A forma como Jacinda Ardern lidou com o recente atentado reforça a sua boa liderança, de acordo com Marília Fiorillo

  • 4
  •  
  •  
  •  
  •  

Na semana passada ocorreu um atentado a duas mesquitas na Nova Zelândia, cometido por um supremacista branco de extrema-direita que causou 50 mortes fatais. A professora Marília Fiorillo, nesta semana, usa a postura da premiê neozelandesa, Jacinda Ardern, diante desse acontecimento como um exemplo de boa governança.

Entre algumas das medidas tomadas, está o fato de a líder, imediatamente após o ocorrido, ter iniciado o processo de proibição da venda de armas semiautomáticas e fuzis de assalto no país, além de impedir a divulgação de vídeos que registrassem o massacre a fim de não dar notoriedade ao criminoso.

Marília lembra, ainda, que o posicionamento de Jacinda, desde que assumiu o cargo, em 2017, foi admirável, do seu ponto de vista, e finaliza: “Ela é um modelo de líder a ser copiado, aquele que o mundo precisa em uma época em que ninguém mais acredita na política”.

Ouça a coluna Conflito e Diálogo na íntegra pelo link acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 4
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados