Nova Zelândia venceu o coronavírus com ciência, liderança e confiança

Para a colunista, medidas de isolamento massivo, desde o começo, foram essenciais para sucesso do país no combate à covid-19

A Nova Zelândia anunciou esta semana que venceu a batalha contra o coronavírus. O país conta apenas 20 vítimas fatais e a população já recebeu as primeiras medidas de alívio do isolamento social. Para a colunista e professora Marília Fiorillo, o segredo foi agir rapidamente: “O lockdown foi decretado ao primeiro sinal da aproximação da pandemia, época em que a primeira-ministra, Jacinda Ardern, disse: ‘A gente só tem 102 casos, mas vamos ter cuidado porque foi assim que a Itália começou’.”

As medidas imediatas de isolamento diferem das medidas adotadas pelos demais países, em que as restrições são adaptadas conforme a variação da curva de contágio. O sucesso do modelo neozelandês se explica por alguns fatores citados pela colunista: ciência, capacidade de liderança, clareza na comunicação e o apelo à solidariedade. A mensagem que o país passou para conter a pandemia não foi uma guerra declarada, mas, sim, a importância da solidariedade em um momento que exige, acima de tudo, a colaboração da população. 

Acompanhe, pelo link acima, a íntegra da coluna Conflito e Diálogo.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.