O Brasil é o destino da democracia racial no mundo

A opinião é do colunista Guilherme Wisnik, comentando a frase do terrorista que atacou mesquitas na Nova Zelândia

Na sexta-feira passada um atirador atacou duas mesquitas em Christchurch, terceira maior cidade da Nova Zelândia, matando 49 pessoas e ferindo cerca de 48. Brenton Tarrant, um australiano de 28 anos, preso logo após o atentado, publicou na internet um manifesto de 74 páginas, no qual menciona o Brasil, criticando sua diversidade racial.

O professor Guilherme Wisnik, na coluna desta semana, comenta a frase do terrorista, que escreveu que “o Brasil, com toda a sua diversidade racial, está completamente fraturado como nação, onde as pessoas não se dão umas com as outras e sempre que possível se separam e se segregam”.

Pelo contrário, Wisnik considera que tal afirmação reconhece o Brasil como o destino da democracia racial no mundo. Isso não significa dizer que não existe racismo no Brasil, mas o reconhecer como um lugar em que as diversas culturas, etnias, raças foram colocadas juntas e produziram miscigenação e liberdade, beleza e troca, o que Wisnik considera a marca do País.

Acompanhe o comentário completo no link acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •