Grupo jihadista agora aposta na ressurreição digital

A professora Marília Fiorillo explica a forma contemporânea de disseminação ideológica adotada por extremistas

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Mais uma vez, Marília Fiorillo trata do terrorismo na coluna Conflito e Diálogo, só que com uma abordagem diferente. Ela explica que, além do efeito desagregador das redes sociais, há outro fator que pode colaborar para o acontecimento de massacres: a doutrinação on-line.

A professora esclarece a relevância do tema ao mostrar como alguns dos atentados ocorridos recentemente na Europa, por exemplo, têm relação com essa nova técnica de recrutamento dos grupos jihadistas. Ou seja, apesar de ter diminuído o território ocupado pelo autoproclamado Estado Islâmico, o seu califado on-line permanece muito ativo, fazendo disseminação ideológica por meio de redes sociais. “Eles apostam na ressurreição digital”, explica.

Marília, por fim, sugere a manutenção do cuidado com o grupo ao lembrar que o Daesh é uma gangue religiosa crente na profecia de que, antes da instauração definitiva do califado na Terra, acontecerá um período de retiro e recuo para o deserto.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Conflito e Diálogo.

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •