Edição genética de bebês chineses pode reduzir expectativa de vida

Estudo sobre consequências da edição genética em embriões, como a feita na China, mostra que técnica ainda precisa de refinamento antes de ser aplicada ao ser humano

No final do ano passado, a maior parte da comunidade científica no mundo todo criticou a anunciada edição genética feita em embriões na China, relacionada ao gene CCR5, cuja deleção confere resistência ao HIV. Embora seja uma técnica muito promissora, aponta a geneticista Mayana Zatz, não há ainda garantia de que, ao se deletar um determinado gene, não se estaria alterando ao acaso outro – com consequências imprevisíveis, que poderiam até ser transmitidas a futuras gerações.

Nesta edição de Decodificando o DNA, a professora do Instituto de Biociências (IB) da USP comenta uma pesquisa publicada na Nature Medicine, mostrando que os efeitos do experimento na China com o gene CCR5 podem ser ainda piores: quem passou pelo processo teria probabilidade significativamente maior de morrer ainda jovem.

Clique no player acima para ouvir.


Decodificando o DNA
A coluna Decodificando o DNA, com a professora Mayana Zatz, vai ao ar quinzenalmente toda quarta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 1
  •  
  •  
  •  
  •