Uso de medicamentos deve ser evitado durante o parto

Para especialista, recomendações da OMS reforçam o processo natural quando não há risco para mãe e bebê

  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  

Foi divulgada recentemente, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), uma série de recomendações sobre o modo de realizar o parto normal, caso a gravidez não tenha apresentado nenhuma complicação. Rodrigo Rocha Codarin, médico do setor de Endocrinopatias, de Hipertensão e Trombofilias na Gestação e diretor técnico do Centro Obstétrico do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), explicou que o documento tem o objetivo de melhorar a experiência das mulheres na hora do parto. Um dos pontos principais é retirar procedimentos desnecessários, muito comuns, como o uso de ocitocina, hormônio que estimula a dilatação, e a episiotomia, corte na região da vagina que facilita a saída do bebê. Esses dois métodos são muito importantes em alguns casos, mas estão sendo usados de forma exagerada.

De acordo com o especialista, outro ponto que a OMS abordou foi a importância da comunicação entre médicos e pacientes. Manter a gestante sempre informada do que está ocorrendo é de suma importância. Além disso, permitir sua movimentação durante o trabalho de parto, se possível e se ela desejar, é muito positivo. Entre as recomendações também estava a diminuição de cesarianas.

O obstetra esclarece que esse procedimento, ao contrário do que ocorre atualmente, deve ser tomado como último recurso. Ele lembra ainda que o pré-natal é o principal meio para detectar alguma complicação na gravidez e planejar adequadamente o parto.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados