Sites de leilão de mercadoria ganham popularidade na internet

Há dois tipos de sites de leilões: o público de empresas, que faliram e querem vender os estoques on-line, e os sites pessoais

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Acompanhe a entrevista da jornalista Silvana Pires com o professor Luli Radfahrer (ECA-USP):

logo_radiousp790px
.

O site de leilões Madbid - Foto: Reprodução
O site de leilões Madbid – Foto: Reprodução

Uma nova tendência de compras pela internet são os sites de leilões de mercadorias, que estão chegando por aqui depois de fazerem sucesso nos Estados Unidos e na Europa. Eles são utilizados basicamente por aquelas pessoas que pretendem vender um produto cujo preço não é tão fácil de avaliar, como um carrinho de bebê, por exemplo. Há dois tipos de sites de leilões: os públicos, em que o leilão público é oferecido on-line, e os sites pessoais de leilão de mercadoria, bem mais comuns e populares.

Segundo o professor Luli Radfahrer, da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e colunista da Rádio USP, por meio desses sites é possível obter bons descontos, mas também é preciso ter cuidado para não cair em fraudes. Afinal – observa ele -, nesse site não se está lidando com empresas, como é comum nas transações comerciais via on-line, mas com pessoas. Por isso, é importante tentar obter informações sobre a pessoa que está do outro lado.  Geralmente, esse tipo de site, ao lado do nome do indivíduo, costuma fornecer dados sobre sua reputação.

Outra dica, que vale para transações na internet como um todo, é jamais fornecer dados pessoais ou dados de conta bancária. De resto, os sites pessoais de leilão de mercadorias podem agradar aqueles consumidores mais cautelosos, que gostam de pesquisar bem antes de comprar um produto. Não é indicado, porém, para aquele “indivíduo que se acha esperto, que descobre um monte de barganhas na internet e, de vez em quando, entra numa fria”.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados