Filme que dissolve na boca ajuda a combater mau hálito e doenças bucais

O material, desenvolvido na FZEA da USP, tem custo baixo e dissolve na boca sem ajuda de água ou mastigação, liberando probióticos e agindo no combate a microrganismos maléficos

 23/10/2023 - Publicado há 6 meses
Por

A invenção é uma forma de veiculação de fármacos para pessoas que têm dificuldade de engolir comprimidos, como crianças e idosos – Foto: Freepik

 

Logo da Rádio USP

Cuidar da saúde bucal é muito importante, mas constantemente passa despercebida ou é até mesmo deixada de lado. Existe, por exemplo, uma camada muito fina, pegajosa e incolor de bactérias que adere aos dentes (placa bacteriana) e que pode levar a doenças muito graves, como tártaro, gengivite, cáries e, no pior dos casos, até a perda do dente.

Assim como a microbiota intestinal, a bucal é formada por milhões de microrganismos. Os que são benéficos, conhecidos como probióticos, auxiliam na manutenção da saúde bucal. “Temos muitos alimentos e suplementos alimentares nutracêuticos que liberam esses microrganismos benéficos no intestino. Até pouco tempo, só conhecíamos uma goma de mascar com o objetivo de liberá-los na boca”, diz Carmen Trindade, professora titular da Faculdade de Zootecnia e Engenharia (FZEA) de Alimentos da USP. 

Pensando nesses dois fatores, ela e outros pesquisadores colaboraram em um projeto de um filme de dissolução oral que dissolve na boca, liberando microrganismos que têm efeito benéfico na saúde bucal – os probióticos – e atuando para uma possível prevenção de inflamações na cavidade bucal, cáries e mau hálito.

Carmen Silvia Fávaro Trindade  -Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A iniciativa, da pós-doutoranda Riana Barrozo Heinemann, auxilia na manutenção da microbiota bucal equilibrada. Ela ajuda a produzir bacteriocinas, que são proteínas com atividade antibiótica, que vão agir seletivamente combatendo microrganismos maléficos, como o Streptococcus mutans, causador da cárie.

“O biofilme que desenvolvemos se dissolve totalmente na boca após alguns segundos, sem a necessidade de água e de mastigação, não causa alergia e não tem nenhuma restrição para intolerantes à lactose, por exemplo. Ademais, pode ser utilizado por públicos de todas as idades”, explica a professora.   

Essa invenção é interessante porque é uma forma de veiculação de fármacos para pessoas que têm dificuldade de engolir comprimidos, como crianças e idosos. Além disso, não precisa de água para a dissolução na boca nem mastigação.

Situação da patente 

O desenvolvimento do material contou com a colaboração da professora da FZEA, Rosemary Carvalho, que já tinha experiência no desenvolvimento de biofilmes comestíveis para embalar alimentos. Também contou com o auxílio do professor Pedro Rosalen, que era da Faculdade de Odontologia da Unicamp e tem experiência em microbiota bucal. 

A patente do material, chamada Filme de Dissolução Oral para Veiculação de Probióticos na Boca,  já foi aprovada.  Agora, precisaria ser comprada por uma empresa que tivesse interesse em produzir e comercializar o produto.

 *Estagiária sob supervisão de Paulo Capuzzo

 


Momento Tecnologia
Produção: Julia Estanislau, Guilherme Castro Sousa, Alessandra Ueno
Edição de som:  Bruno Torres
Produção geral:  Cinderela Caldeira
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: Quinzenalmente, terças-feiras, às 8h35

O Momento Tecnologia vai ao ar na Rádio USP, quinzenalmente, terças-feiras, às 8h35 – São Paulo 93,7 MHz e Ribeirão Preto 107,9 MHz e também nos principais agregadores de podcast  Veja todos os episódios do Momento Tecnologia

 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.