USP terá unidade de principal centro de pesquisa francês no campus de São Paulo no próximo ano

A atividade fez parte da programação da missão internacional formada por dirigentes da USP, que esteve na França e na Alemanha, no período de 25 de setembro a 3 de outubro

 04/10/2023 - Publicado há 6 meses     Atualizado: 06/10/2023 as 17:17
(À frente, à esquerda) O diretor-geral para Ciência do CNRS, Alain Schuhl, e o reitor Carlos Gilberto Carlotti Junior assinam o acordo. Também participaram da cerimônia (em pé, da esq. p/ dir.)) o embaixador do Brasil na França, Ricardo Neiva Tavares, o professor da Faculdade de Direito da USP, Fernando Menezes, e o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de SP, Vahan Agopyan – Foto: Divulgação

 

A USP e o Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS, na sigla em francês), principal instituição pública de pesquisa da França, firmaram, no dia 3 de outubro, um acordo para a criação de um Centro Internacional de Pesquisa, com sede na USP, em 2024.

A atividade fez parte da programação da missão internacional liderada pelo reitor Carlos Gilberto Carlotti Junior e formada por dirigentes da USP, que esteve na França e na Alemanha no período de 25 de setembro a 3 de outubro. O objetivo da missão foi visitar universidades e centros de pesquisas para assinar convênios e discutir novas oportunidades de parceria.

O centro deverá promover a colaboração entre as duas instituições na pesquisa e na formação acadêmica de alta qualidade, envolvendo tanto a governança institucional quanto a comunidade científica. Esse será o quinto centro do CNRS em parceria com uma universidade. Já foram estabelecidas parcerias semelhantes com as universidades do Arizona e de Chicago (Estados Unidos), com o Imperial College London (Reino Unido) e com a Universidade de Tóquio (Japão).

+ Mais

USP poderá ter unidade do Instituto Max Planck no campus de São Paulo em 2024

Um protocolo de intenções entre as duas instituições foi firmado em março deste ano, durante a visita do diretor-executivo do CNRS, Antoine Petit, à USP. Na ocasião, Petit explicou que “a proposta é desenvolver a cooperação científica entre os países, seja levando estudantes e pesquisadores brasileiros para a França, seja enviando ao Brasil estudantes e pesquisadores franceses. O centro deverá atuar como um ‘guarda-chuva’, sob o qual desenvolveremos atividades diversas que vão evoluir ao longo dos anos. O que nos interessa, de fato, é que pesquisadores do Brasil e da França tenham interesse em cooperar uns com os outros”.

Em julho deste ano, o diretor do Escritório do Centro Nacional de Investigação Científica na América do Sul, Liviu Nicu, concedeu uma entrevista no programa Desafios, do Canal USP, em que falou sobre a importância da parceria. “O quinto centro do CNRS no mundo será com a USP e deverá desenvolver pesquisas nas áreas de ciências humanas e sociais, ecologia e meio ambiente, ciências da terra e do universo, ciências da informática e biologia. Essas cinco disciplinas devem desenhar a arquitetura inicial disciplinar do nosso Centro com a USP”, afirmou.

Segundo o reitor da USP, temas como imunologia, inteligência artificial e agricultura sustentável deverão fazer parte dos estudos realizados em conjunto. “Queremos fazer na USP o que, no exterior, se chama de ‘internationalisation at home‘, que é o desenvolvimento de ações internacionais dentro da Universidade, para que os alunos e pesquisadores, que não possam fazer mobilidade para outros países, tenham uma experiência internacional dentro da USP. Com a implantação desses centros internacionais na USP, como o Institut Pasteur de São Paulo, o CNRS e o Instituto Max Planck, a comunidade acadêmica terá a oportunidade de desenvolver pesquisas com foco internacional”, considerou.

Carlotti revelou, também, que há tratativas com o Centro internacional para Engenharia Genética e Biotecnologia (ICGEB, na sigla em inglês) para a criação de uma unidade na USP, que envolverá professores e pesquisadores da Faculdade de Medicina (FM), da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP)  e Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) para pesquisas na área de oncologia de precisão. O acordo deverá ser firmado em janeiro do próximo ano.

(Da esq. p/ dir.) A presidente da Universidade Lumière Lyon 2, Nathalie Dompnie; o reitor da USP, Carlos Gilberto Carlotti Junior; e o presidente da Universidade Jean Moulin Lyon 3, Éric Carpano – Foto: Divulgação

Universidade de Lyon

No dia 2 de outubro, o reitor assinou um convênio de duplo diploma envolvendo a Universidade de Lyon e a Faculdade de Direito (FD) da USP, com a possibilidade de estender o programa para a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), a Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária (FEA) e a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP). Também foi renovado o acordo de duplo diploma na área de Letras da instituição francesa com a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH).

Os dirigentes da USP também estiveram na Embaixada do Brasil na França, onde foram recebidos pelo diplomata Ricardo Neiva Tavares, que chefia a Embaixada. O objetivo do encontro, segundo Carlotti, foi apresentar “as parcerias que desenvolvemos e discutir futuras colaborações”.

“A formalização desses convênios e parcerias demonstra a confiança internacional de que a USP usufrui junto a instituições importantes como o CNRS, a Universidade de Lyon e a Embaixada do Brasil na França”, destaca o reitor.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.