Enfermagem de Ribeirão Preto apresenta obras de infraestrutura

Entre as melhorias, estão a reforma da Casa 17, o sistema de tratamento de formol e o segundo Bloco de Laboratórios Didáticos

[Da esq. p/ a dir.] O reitor Marco Antonio Zago; o superintendente do Espaço Físico, Oswaldo Shigueru Nakao; a diretora da EERP, Silvana Martins Mishima; o pró-reitor de Graduação, Antonio Carlos Hernandes; e a vice-diretora da EERP, Lidia Aparecida Rossi (Foto: Cecília Bastos/USP Imagens)
O reitor Marco Antonio Zago participou, no dia 3 de agosto, da inauguração e apresentação das obras de melhoria da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP).

A diretora da EERP, Silvana Martins Mishima, iniciou a cerimônia falando um pouco dos 64 anos de história da Escola e da missão de “formar enfermeiros aptos a responder às variadas e complexas demandas da contemporaneidade”. Em seguida, Silvana apresentou as quatro obras de infraestrutura recentemente concluídas ou iniciadas na EERP e o impacto positivo que elas têm no desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão da Unidade.

A primeira obra apresentada foi a recuperação da estrutura e a reforma geral da Casa 17, que abriga o Programa de Cuidados e Reabilitação a Usuários de Álcool e Drogas (Procura) e também o Centro de Mindfulness e Terapias Integrativas. Em seguida, Silvana anunciou o início da construção do segundo Bloco de Laboratórios Didáticos e de Pesquisa “Professora Maria Cecília Puntal de Almeida”, que sediará os laboratórios com manequins de média e alta fidelidade.

Depois, foi apresentado o novo Sistema de Tratamento de Formol Reator Anaeróbico de Leito Fixo, apelidado de Biodigestor, que atua na degradação do formol, reduzindo a concentração de substâncias tóxicas até tornar possível a liberação do produto na rede de esgoto. Por último, Silvana mencionou as obras de ampliação do estacionamento para alunos e visitantes e a instalação do sistema de iluminação.

“A EERP, apesar da restrição orçamentária presente não só na USP, mas no cenário paulista e nacional, tem mantido arduamente o seu trabalho e atuado com equilíbrio, transparência, cautela e diálogo necessários para o enfrentamento das situações postas. Enfrentar desafios em períodos de maior adversidade e buscar formas de superá-los não é tarefa individual, é tarefa que se faz coletivamente, com paciência, tolerância, competência e muito esforço”, concluiu a diretora.

Para o reitor Marco Antonio Zago, “obras como essas são essenciais para a vida da Unidade, para vida acadêmica, para o desempenho das atividades-fim da Universidade. É preciso que elas estejam funcionando. Apesar da crise financeira e da ideia difundida de que a USP não tem recursos para nada, fizemos um balanço desses três anos e meio de gestão e verificamos que os gastos em obras foram da ordem de R$ 130 milhões, ou seja, estamos dentro da média de gestões anteriores, porém com gastos moderados e planejados com responsabilidade”.

Entre os vários dirigentes que acompanharam a apresentação estavam o secretário-geral, Ignácio Maria Poveda Velasco; o prefeito do Campus USP de Ribeirão Preto, Américo Ceiki Sakamoto; diretores, professores, pesquisadores e funcionários das Unidades que compõem o campus.

A seguir, clique nas imagens e confira como foi o dia de inaugurações na EERP.

Descerramento da placa da inauguração do Sistema Biodigestor
Descerramento da placa da reforma da Casa 17, que abriga o programa Procura
Sistema de Tratamento de Formol Reator Anaeróbico de Leito Fixo
Lançamento da pedra fundamental do segundo Bloco de Laboratórios Didáticos

Textos relacionados