Redes sociais propagam a violência no relacionamento de jovens

O tema da entrevista é referente à pesquisa da socióloga Ana Beatriz Campeiz, que entrevistou 39 jovens, de 15 a 18 anos, de uma escola do interior paulista

  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  

A socióloga Ana Beatriz Campeiz foi a entrevistada desta quinta-feira (25) no podcast Os Novos Cientistas e falou sobre seu estudo A violência nas relações de intimidade entre os adolescentes sob a perspectiva do Paradigma de Complexidade, que foi apresentado na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP. A pesquisa de mestrado mostra como as novas tecnologias têm sido aliadas na propagação de violência nos relacionamentos dos jovens, sejam em relações longas ou momentâneas.

“Na pesquisa ficou bem evidente que as redes sociais como o Instagram, Facebook e WhatsApp facilitam o controle e a manipulação da vida do companheiro, pois os adolescentes insistem em ter acesso a todo conteúdo dos celulares, além de impedir que o parceiro tenha amizades com pessoas do sexo oposto”, afirma Ana Beatriz.

Participaram do estudo 39 jovens, com idade entre 15 e 18 anos, de duas escolas estaduais do interior paulista. A pesquisadora diz que existem poucos estudos nessa área e seu objetivo foi coletar informações para novas propostas de políticas públicas que incentivem relações mais saudáveis.

Ana Beatriz afirma que as crenças de violência como forma de amor e o mito do amor ideal são fatores determinantes para a violência na intimidade, considerada também como violência de gênero. “Os jovens justificam atitudes como ciúme excessivo e o controle da vida do outro como aceitáveis e equiparam atos violentos ao cuidado.”

Quando o assunto é violência, diz a pesquisadora, muitos associam diretamente com a agressão física, mas existem outras faces dessa tragédia. “Essa ideia é ainda mais recorrente quando é reproduzida pelos veículos de comunicação”, diz. A afirmação da pesquisadora se confirma quando analisado o caso da advogada Tatiane Spitzner, morta recentemente, no qual o principal suspeito é o marido. Não bastasse a violência física sofrida pela advogada, mostrada pelas câmeras de segurança do prédio onde morava, testemunhas relataram que a violência psicológica era recorrente na relação entre ela e o marido.

O podcast Os Novos Cientistas vai ao ar toda quinta-feira, às 8 horas, dentro do Jornal da USP no Ar, que é apresentado diariamente pela jornalista Roxane Ré (das 7h30 às 9h30) na Rádio USP FM (93,7 MHz).

  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados