Em encontro, dirigentes discutem programas e projetos da Universidade 

Inclusão social, internacionalização da pós-graduação e os programas de apoio aos novos docentes foram alguns dos temas apresentados

  • 23
  •  
  •  
  •  
  •  
“Já se tornou uma tradição a realização dessas reuniões antes das sessões do Conselho Universitário”, comentou o reitor Vahan Agopyan – Foto: Marcos Santos / USP Santos

Na manhã do dia 11 de setembro, a Reitoria promoveu um encontro que reuniu os dirigentes da Universidade, na sala do Conselho Universitário, no prédio da Reitoria, em São Paulo.

Inclusão social, internacionalização da pós-graduação, os programas de apoio aos novos docentes e as medidas adotadas na área da segurança foram alguns dos temas apresentados.

“São informações importantes para o dia a dia dos dirigentes”, destacou o reitor Vahan Agopyan, acrescentando que “já se tornou uma tradição a realização dessas reuniões antes das sessões do Conselho Universitário”. Nesse mesmo dia, no período da tarde, foi promovida uma sessão do órgão deliberativo.

A primeira apresentação foi realizada pelo pró-reitor de Graduação, Edmund Chada Baracat, que falou, entre outros temas, sobre os resultados do ingresso de novos estudantes em 2018. Segundo o pró-reitor, a USP cumpriu a meta estabelecida pelo Conselho Universitário para a reserva de vagas destinadas a alunos de escolas públicas (EP) e autodeclarados pretos, pardos e indígenas (PPI) nos cursos de graduação da Universidade.

A primeira apresentação foi realizada pelo pró-reitor de Graduação, Edmund Chada Baracat, que falou, entre outros temas, sobre os resultados do ingresso de novos estudantes em 2018 – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Neste ano, 43% dos estudantes que ingressaram na Universidade são oriundos de escolas públicas, dos quais 39% são PPI. Para 2018, a meta era a reserva de 37% das vagas das Unidades de Ensino e Pesquisa. Dentro dessa porcentagem, ainda incidem 37,5% de reserva de vagas para PPI, índice equivalente à proporção desses grupos no Estado de São Paulo verificado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A reserva de vagas considera, conjuntamente, os dois processos de seleção da Universidade: o vestibular da Fuvest e o Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Baracat também destacou as mudanças para o próximo vestibular. A partir de 2019, a Fuvest adotará inscrições por modalidades de vagas, assim como já ocorre no Sisu. Ao escolher sua carreira e seu curso, o vestibulando terá três opções: Ampla Concorrência (AC), Ação Afirmativa Escola Pública (EP) e Ação Afirmativa Preto, Pardo e Indígena (EP-PPI). Dessa forma, com a institucionalização da reserva de vagas, a concessão de bônus deixa de existir.

Internacionalização

O pró-reitor de Pós-Graduação, Carlos Gilberto Carlotti Junior, falou sobre o Programa Institucional de Internacionalização (Print), criado pela Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). A USP foi uma das instituições selecionadas para fazer parte do projeto.

O pró-reitor de Pós-Graduação, Carlos Gilberto Carlotti Junior, falou sobre o Programa Institucional de Internacionalização (Print) – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O Print é um novo programa da Capes que visa a fomentar o desenvolvimento de planos estratégicos de internacionalização como meio de melhorar a qualidade dos cursos de pós-graduação nacionais e de conferir maior visibilidade internacional à pesquisa científica realizada no Brasil.

Para isso, as instituições cujos projetos foram contemplados receberão recursos para o financiamento de atividades, como auxílio para missões de trabalho no exterior; manutenção de projetos; bolsas no exterior (doutorado sanduíche e professor visitante) e no País (pós-doutorado e jovem talento com experiência no exterior).

A partir de 2019, a Capes investirá R$ 300 milhões anualmente no programa. A USP deverá receber R$ 144 milhões ao longo de quatro anos.

“Esse é um projeto que vai impactar não só a pós-graduação, mas também o ensino e a pesquisa. Estamos entrando em uma nova fase da internacionalização da Universidade e os dirigentes têm a tarefa de interagir com esse programa junto às comissões das unidades”, avaliou o reitor.

Novos docentes

As ações voltadas aos novos professores da Universidade foi o tema abordado pelo pró-reitor de Pesquisa, Sylvio Roberto Accioly Canuto, com destaque para o Edital 2018 do Programa de Apoio aos Novos Docentes da USP, que oferece apoio financeiro aos docentes recém-contratados com o objetivo de proporcionar as condições iniciais para o estabelecimento de uma estrutura de pesquisa.

As ações voltadas aos novos professores da Universidade foi o tema abordado pelo pró-reitor de Pesquisa, Sylvio Roberto Accioly Canuto – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O auxílio de R$ 15 mil, pago via remanejamento orçamentário às unidades, deve ser utilizado para compra de material permanente e de consumo, pagamento de serviços de terceiros, diárias e passagens para o docente ou para seus alunos de iniciação científica e pós-graduação.

O presidente da Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional (Aucani), Raul Machado Neto, informou que aquele órgão está concedendo 50 auxílios para missões acadêmicas ao exterior, com destaque aos projetos voltados à intensificação do relacionamento com instituições da Ásia.

Direitos humanos

A pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária, Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado, ressaltou a repercussão na imprensa e a participação de público nas duas edições da Feira USP de Profissões, em São Paulo e em Bauru, que, juntas, receberam quase 60 mil visitantes.

Maria Aparecida convidou os presentes a visitarem a exposição USP Diversidade nos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A mostra, itinerante, é composta de 30 grandes painéis, de 1,60 m de altura, cada um com um artigo da Declaração reproduzido em letras de grandes dimensões.

Os textos são acompanhados de 30 diferentes composições artísticas, elaboradas pelo designer Victor Daibert, estudante da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), que se inspirou em telas de aquarela com tonalidades vibrantes.

A pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária, Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado, ressaltou a repercussão na imprensa e a participação de público nas duas edições da Feira USP de Profissões – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O lançamento e a primeira exposição da mostra foram realizados durante a Feira USP e as Profissões, que ocorreu de 16 a 18 de agosto, no Parque CienTec. Em seguida, a mostra passou a seguir um calendário de exposições que inclui a Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH),  a Faculdade de Medicina (FM), a Faculdade de Direito (FD) e os campi de Bauru, Ribeirão Preto, São Carlos, Piracicaba, Pirassununga e Lorena. A finalização do circuito ocorrerá em dezembro no prédio da Reitoria, na Cidade Universitária, em São Paulo.

Inovação

O item seguinte da pauta foram as atividades do Centro de Inovação da USP, o Inova USP, apresentadas pelo coordenador do espaço e professor do Instituto de Química (IQ), Luiz Henrique Catalani.

Criado em 2017, o Inova USP deve propiciar ambientes e estratégias multidisciplinares de pesquisa, desenvolvimento e inovação na Universidade, privilegiando a relação com os setores produtivos e com instituições com objetivos similares.

Localizado na Cidade Universitária Armando Salles de Oliveira, o Inova USP deve começar a operar no segundo semestre deste ano e será composto da Plataforma Científica Pasteur-USP (PCPU), do Laboratório de Games e Soluções Digitais (Pateo), do Interdisciplinary Research for Innovative Solutions Initiative (Iris) e do Synthetic & Systems Biology (S2B).

O prédio também receberá o curso de Ciências Moleculares, cujas aulas terão início no local a partir da próxima semana.

Aplicativo de segurança

A última apresentação da reunião foi a do superintendente de Prevenção e Proteção Universitária, José Antonio Visintin, que demonstrou a mais nova funcionalidade do aplicativo de segurança Campus USP, desenvolvido pela Superintendência de Tecnologia da Informação (STI) da Universidade.

Ao acionar a funcionalidade, o usuário acessa a rota até o desfibrilador mais próximo – Arte: Jornal da USP

A partir de agora, a funcionalidade Emergências Médicas do aplicativo passa a contar com um localizador de desfibriladores [equipamento que emite descarga elétrica transmitida ao tórax do paciente com parada cardíaca] nos campi.

Segundo o professor da Escola Politécnica (Poli) e um dos idealizadores do aplicativo, Jun Okamoto, ao acionar a funcionalidade, o usuário acessa a rota até o equipamento mais próximo.

Visintin também informou aos presentes sobre os veículos especiais destinados para o deslocamento interno de alunos, professores e servidores técnicos e administrativos com mobilidade reduzida, que foram disponibilizados nos campi de Ribeirão Preto, São Carlos, Piracicaba e São Paulo.

Veículos especiais destinados para o deslocamento de pessoas com mobilidade reduzida. Foto: Cecília Bastos/USP Imagens
  • 23
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados