Protocolo adotado no HC zerou mortalidade materna por tromboembolismo venoso

Método se baseia na triagem das grávidas, classificando-as em níveis de risco para trombose

 01/08/2023 - Publicado há 12 meses
A TEV atinge principalmente as mulheres gestantes e no pós-parto – Foto: Reprodução/Freepik
Logo da Rádio USP

O tromboembolismo venoso (TEV), problema que atinge muitas mulheres gestantes e no pós-parto, acontece quando a trombose venosa (formação de coágulo nos vasos) é combinada à embolia pulmonar, com o coágulo atingindo a circulação dos pulmões. Como parte de um estudo, o setor de Obstetrícia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP) adotou um protocolo baseado em grau de risco que foi capaz de zerar a mortalidade materna por TEV. O método foi descrito em artigo científico e premiado pela International Society for Thrombosis and Haemostasis no Canadá. 

Risco

Venina Isabel Leme de Barros – Foto: ResearchGate

Primeira autora do estudo, a médica Venina Isabel Leme de Barros é obstetra do HCFMUSP e pesquisadora do Laboratório de Fisiologia Obstétrica (LIM 57). Ela explica que o risco de ocorrência do TEV aumenta dez vezes em mulheres durante a gestação e 30 vezes em mulheres no pós-parto. Além do ganho de peso que ocorre durante a gestação favorecer o TEV, os níveis de coagulação aumentam para evitar hemorragias após o parto, elevando o risco de formação de coágulos e, consequentemente, de trombose venosa.

“Trombose é um entupimento das veias de ocorrência mais comum na perna esquerda e, além da sequela ao membro em si, esse trombo pode migrar para o pulmão e levar à embolia pulmonar, que é letal em até 30% da vezes”, explica Venina Barros. Ela também diz que os períodos de maior risco se estabelecem durante a hospitalização e em até três meses após o parto. 

Segundo a obstetra, o aumento da obesidade no Brasil e uma tendência nacional e mundial das mulheres engravidarem mais velhas impactaram diretamente a alta de casos relacionados à trombose na gravidez. Assim, a comunidade médica notou a necessidade de implantar um protocolo de prevenção. 

Outro fator mencionado por Venina é o crescimento do risco de câncer de mama na população jovem – entre 20 e 40 anos –, que influencia diretamente na incidência de trombose por conta da quimioterapia. Além disso, a médica alerta que em dez anos a doença se tornou a quinta maior causa de mortes de gestantes. 

Protocolo

O método desenvolvido para a prevenção foi aplicado a mais de 10 mil pacientes, das quais 15% apresentavam alto risco de tromboembolismo venoso. O protocolo baseia-se na triagem das grávidas em níveis de risco para trombose, momento em que é feita uma avaliação. Venina ressalta que, apesar de o risco ser maior no pós-parto, a análise deve ser feita em qualquer ocorrência de hospitalização. 

“Você teve o parto e esteve internada. A primeira conduta é deambulação, ou seja, levantar e fazer exercício, mexer as pernas. Essa orientação é universal para todas as gestantes e para qualquer paciente hospitalizado”, pontua a obstetra. Por outro lado, nos casos de alto risco, o recomendado é prevenção com uso de heparinas de baixo peso molecular entre 8 a 12 horas após o parto. 

Nos casos em que a paciente também possa ter um sangramento aumentado, é feita opção pelos métodos mecânicos, como as meias elásticas e o compressor vascular, que ajuda o retorno sanguíneo, acrescenta a pesquisadora. 

É necessário que seja mantido um acompanhamento por três meses após o parto, uma vez que o risco permanece. Nesse sentido, a médica chama a atenção para casos de alto risco em que a medicação persiste por 15 dias e, em casos de altíssimo risco, com histórico de trombose, em que a medicação continua por 30 dias. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar no ar veiculado pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h, 16h40 e às 18h. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.