Brumadinho: uma tragédia ambiental e cultural

Os registros replicados nas redes sociais, segundo Giselle Beiguelman, nos transformaram em testemunhas de um crime

  • 142
  •  
  •  
  •  
  •  

“A repercussão do rompimento da barragem em Brumadinho impactou o País e o mundo pelas suas dimensões trágicas, mas também porque é um acontecimento que deixa e revela profundas marcas da nossa experiência cultural.” Em uma análise sobre a tragédia noticiada nas redes sociais através de vídeos, depoimentos, fotos, a colunista Giselle Beiguelman, de Ouvir Imagens, assinala que o acontecimento do último dia 25, com centenas de mortos e desaparecidos sob a lama, deixa e revela profundas marcas da nossa experiência cultural.

“Os registros feitos por moradores e sobreviventes, que foram intensamente replicados nas redes, por meio de vídeos, fotos e depoimentos, nos transformaram em testemunhas de um crime ambiental que tomou as proporções de uma catástrofe”, assinala. “Ao contrário das ruínas, que projetam no futuro um movimento de volta a um passado que pode nunca ter ocorrido, a imagem da catástrofe é antecipadora. É um alerta, um alarme. Ultrapassa a medida da natureza e transcende a escala humana. A ruína é local, a catástrofe é planetária.”

Giselle Beiguelman – professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP – lembra que a catástrofe veio na sequência de um mesmo acidente trágico causado, há apenas três anos, também pela barragem de rejeitos da mineradora Vale. “O esquecimento de Mariana não é revelador apenas da debilidade de nossas políticas ambientais, mas também da fragilidade de nossa memória coletiva, da nossa responsabilidade social”, observa. “Precisamos urgentemente reavaliar as licenças ambientais e criar medidas que assegurem a população e a biodiversidade. Mas não podemos nos furtar de preservar a memória desses acontecimentos traumáticos. Caso contrário, só teremos espaço para a catástrofe que, no século 21, pode não ter um depois.”

Ouça no link acima a íntegra da coluna Ouvir Imagens.

Mais informações sobre o tema comentado acessar:

www.desvirtual.com

 

 

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 142
  •  
  •  
  •  
  •