Produção de arroz sofre sua maior queda em 20 anos

Segundo a professora Giovana Ribas, a queda está associada a razões climáticas e políticas

 02/05/2023 - Publicado há 10 meses
O arroz apresenta uma baixa rentabilidade em alguns locais, ou seja, a margem de lucro não é grande para os produtores – Foto: Divulgação: Andre Reis

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), em 2018 a produção mundial de arroz em casca foi de cerca de 782 milhões de toneladas. Contudo, esse valor vem diminuindo nos últimos anos e especialistas preveem a maior escassez de arroz mundial em 20 anos. Segundo a professora Giovana Ribas, do Departamento de Produção Vegetal do curso de Engenharia Agronômica da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da USP, em Piracicaba, esse déficit representa a redução de 350 mil hectares da terra para a produção do produto.

Produção

A produção de arroz está tendo a sua carga mundial reduzida, e com isso o mercado global deve registrar um déficit de 8,7 milhões de toneladas do produto. Segundo a professora Giovana, esses problemas estão associados à questão climática; dessa forma, em países que apresentam uma grande produção dessa agricultura, como a China e o Paquistão, inundações estão impossibilitando a sua elaboração. “Esse fator, associado a questões políticas que estamos enfrentando, como a guerra na Ucrânia, limita a produção de arroz a nível mundial”, explica a especialista. Além disso, Giovana comenta que os fertilizantes estão ficando mais caros, fator que, juntamente com as questões associadas ao clima, também afetam o Brasil. É importante lembrar que nenhum desses problemas apresenta uma perspectiva de mudança rápida.

Giovana Ribas

A professora comenta que, pensando nesses cenários, é importante destacar que o arroz apresenta uma baixa rentabilidade em alguns locais, ou seja, a margem de lucro não é grande para os produtores. Com isso, agricultores acabam substituindo o arroz por diferentes tipos de culturas, como a soja e o milho. A professora comenta que, enquanto em 2015 a safra prevista para o arroz era de 1,2 milhões de hectares, a expectativa para este ano é de que ela caia para 850 mil hectares, apresentando uma significativa redução de 350 mil hectares nessa produção. Outro dado importante sobre o arroz é o fato de não ser uma commodity. Dessa forma, não é possível fixar o seu preço, fator que faz com ele dependa das diferente variações de oferta e demanda. 

Vulnerabilidade

O El Niño é um dos fatores climáticos que são capazes de influenciar a produtividade desse produto. Em território nacional, por exemplo, esse fenômeno aumenta o número de chuvas e diminui a disponibilidade de radiação solar. Esses agentes conseguem modificar a produção de arroz e podem afetar a quantidade disponibilizada para a população, contribuindo para que a oferta e a demanda sejam apresentadas globalmente desequilibradas. 

A professora comenta ainda sobre a possibilidade de o Brasil ocupar o espaço de alguns países para exportação: “Cerca de 80% do arroz produzido no Brasil fica no País, contudo, como as exportações de países como China e Paquistão estão diminuindo, o Brasil apresenta uma oportunidade de lucrar com esses nichos”, explica a professora. É interessante notar que cada país consome um certo tipo de arroz, sendo interessante exportamos para países da América Latina. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.