O que é autoridade em sala de aula e como é percebida pelos alunos?

Autoridade não tem a ver com o cargo nem produz obediência, mas sim é consentida e diz respeito a uma relação de confiança e respeito, diz José Carvalho

 06/11/2023 - Publicado há 4 meses
Por

“A gente confere autoridade ao professor em quem a gente confia”, diz o professor Sergio Carvalho – Foto: Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

É comum pensar nos professores como figuras de autoridade, como se existisse uma relação intrínseca entre essa posição e o cargo. Além disso, a autoridade está muito relacionada com obediência: a sociedade acredita que esta é produto daquela. Porém, o que acontece é o contrário. 

José Sérgio Fonseca de Carvalho – Foto: IEA

Como explica José Sérgio Fonseca de Carvalho, professor de Filosofia da Educação da Faculdade de Educação da USP, nem toda obediência surge de uma relação de autoridade. Como exemplo, ele cita uma situação de assalto: a posição do assaltante que segura um revólver e pede o celular de uma pessoa não confere a ele uma posição de autoridade. 

“O que a meu ver caracteriza a autoridade é o fato de que essa obediência, que de fato existe, é uma obediência livremente consentida, ou seja, aquele que obedece o faz porque ele reconhece a legitimidade daquele a quem ele obedece”, explica o professor. Ou seja, alguém só se torna autoridade se for consentida a ele essa posição. 

Por isso que, quando um parente ou um professor parte para a violência é porque ele perdeu autoridade. A autoridade, diz o professor, supõe sempre uma relação de confiança. Ele também ensina que confiança vem do latim confidere, que significa confere: “Eu exerço autoridade quando alguém tem uma certa fé e confia em mim e atribui a mim um certo saber. Então, essa me parece ser a noção de autoridade”.

Autoridade dentro da sala de aula

E como essa relação acontece em sala de aula? Para Carvalho, ela é análoga. “A gente confere autoridade ao professor em quem a gente confia e a gente o faz porque esse professor, em geral, fala em nome de algo que transcende no tempo”, fala.  É o professor que fala em nome de uma instituição de ensino ou de uma disciplina, por exemplo.

“Eu tenho a impressão que a gente, em geral, respeita mais e reconhece autoridade sobretudo daqueles professores que encarnam os valores da escola, da universidade e da área que ele ensina”, diz o professor. Essa relação, porém, existe para ser superada. Não se trata de uma autoridade papal, por exemplo.

Para o professor, o sinal de uma boa educação é o esvaimento dessa relação de autoridade durante o processo de aprendizagem. A assimetria entre alunos e professor tende a diminuir durante o tempo e o ideal seria a abolição dela no final do processo educativo do ensino básico, diz.   

*Sob supervisão de Cinderela Caldeira e Paulo Capuzzo


Boletim USP e Educação

Produção: Produção - Cinderela Caldeira, Tulio Gonzaga, Julia Estanislau
Edição: Rádio USP
Você pode sintonizar a Rádio USP SP 93,7 MHz e Ribeirão Preto 107,9 MHz, pela internet em www.jornal.usp.br ou nos principais agregadores de podcast
como Spotify, iTunes e Deezer.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.