Hanseníase deve ser tratada desde o início para que não se torne transmissível

A doença, sobre a qual pesa uma carga grande de estigma, tem tratamento gratuito pelo SUS, mas ainda falta informação para a população, conforme argumenta Maria Angela Bianconcini Trindade

 19/05/2023 - Publicado há 11 meses     Atualizado: 22/05/2023 as 9:26
A hanseníase é uma doença repleta de estigmas, ainda hoje, quando há tratamentos disponíveis – Foto: Freepik
Logo da Rádio USP

O Brasil é o segundo país do mundo em casos de hanseníase em tratamento. São quase 20 mil casos por ano no País e a doença é considerada negligenciada. No mundo, são 200 mil casos da moléstia.

Capa do livro: Ensino e Pesquisa na Atenção à Hanseníase no Estado de São Paulo – Foto: Divulgação

“Em 2007, a Organização Mundial da Saúde incluiu a hanseníase entre as doenças tropicais negligenciadas, porque a maioria ocorre nos trópicos e essas são doenças que atingem principalmente a população de baixa visibilidade e representação política, num ciclo vicioso de pobreza e doença”, comenta Maria Angela Bianconcini Trindade, dermatologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e pesquisadora do Laboratório de Investigação Médica em Dermatologia e Imunodeficiências (LIM/56).

Esses e outros aspectos da hanseníase são trabalhados no livro Ensino e Pesquisa na Atenção à Hanseníase no Estado de São Paulo, com organização, além de Maria Angela, de Tereza Etsuko da Costa Rosa, pesquisadora e docente do mestrado profissional em Saúde Coletiva e diretora do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento para o SUS do Instituto de Saúde – SES-SP, Maria do Carmo Castiglioni e Selma Lancman, docentes do Departamento de Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da USP. 

Doença que persiste 

A hanseníase está inserida nos serviços de saúde de atenção básica desde 2008 e seu tratamento é gratuito e eficaz: “A Organização Mundial da Saúde coloca atualmente a hanseníase entre as doenças tropicais negligenciadas que são possíveis de eliminação, justamente porque têm um tratamento específico e disposto nas unidades básicas de saúde, mas o maior problema da hanseníase é que o tratamento medicamentoso representa uma parcela fundamental entre as ações para o seu enfrentamento, mas não é suficiente. Já há mais de quatro décadas que isso está disposto, então é necessário abordagens multidisciplinares urgentes que entrelacem a saúde com a história, geografia, educação e a antropologia”. 

Mesmo com as possibilidades de tratamento, a doença continua preocupando. Segundo Maria Angela, são cerca de 200 mil casos diagnosticados por ano no Brasil: “É uma doença que, se tivesse mais divulgação sobre o que é, os sinais e sintomas iniciais, a população também iria procurar mais o serviço de saúde e também se não tivesse tanta rotatividade de profissionais. Por isso o diagnóstico, mesmo tendo todo esse arsenal da atenção básica, de medicação específica, é realizado nas formas incapacitantes e transmissíveis, então é um fator importante para manter a endemia”.

Estigmas

Maria Angela Bianconcini Trindade – Foto: Reprodução/SBD

A hanseníase é uma doença repleta de estigmas, ainda hoje, quando há tratamentos disponíveis. “Esse aspecto histórico-social da doença aumenta o estigma, as pessoas, quando têm algum sintoma, nem procuram o serviço, por causa do estigma. Por isso, o tratamento, a inclusão da equipe multiprofissional ajudam muito a manter o paciente em tratamento, porque, mesmo quando fazem o diagnóstico, as pessoas podem não querer continuar o tratamento. A equipe multiprofissional, com psicóloga, assistente social, farmacêutico, enfermeiro, terapeuta ocupacional e fisioterapeuta, colabora muito para que esses pacientes em tratamento tragam os seus familiares para serem examinados, esse acolhimento é muito importante para uma doença estigmatizante”, conclui Maria Angela.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

texto atualizado em 22/05


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.