Foto: Mix – Pixabay

Laranjeiras transgênicas são resistentes às principais doenças bacterianas de citros, mostram testes

Pesquisa em Piracicaba mostrou que algumas plantas geneticamente modificadas são resistentes contra o cancro cítrico e o "greening" (HLB ou amarelão)

 Publicado: 14/09/2021  Atualizado: 16/09/2021 as 17:33

Por: Sebastião Moura

Arte: Simone Gomes

Pesquisas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, mostraram resultados promissores no uso de laranjeiras doces de cultivar Hamlin geneticamente modificadas resistentes ao greening (também conhecido como huanglongbing [HLB] ou amarelão dos citros) e ao cancro cítrico, doenças bacterianas que representam grandes dificuldades para o cultivo dessa espécie. Sendo o Brasil o maior produtor mundial de laranja e maior exportador de suco concentrado, essas ferramentas têm grande valor na busca pela diminuição do uso de agrotóxicos, o que traria vários benefícios em termos de diminuição do impacto ambiental e dos riscos para agricultores, por exemplo.

“O trabalho foi feito em laboratório, sob condições controladas, pois a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), órgão competente de fiscalização, é muito rigorosa e não é permitido fazer esse tipo de experimento fora de condições controladas”, explica ao Jornal da USP o pesquisador Matheus Luís Docema, engenheiro agrônomo que estudou, em sua tese de doutorado, a resposta dessas plantas transgênicas à infecção por essas doenças. A pesquisa foi orientada pelo professor Francisco de Assis Alves Mourão Filho, junto ao Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia.

O estudo, que teve financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), foi realizado no Laboratório de Biotecnologia de Plantas Hortícolas do Departamento de Produção Vegetal da Esalq, em parceria com pesquisadores do Instituto Biológico de São Paulo, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) da USP, da Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Embrapa Fruticultura), do Centro de Citricultura ‘Sylvio Moreira’ – IAC e demais parceiros que integram a rede multidisciplinar do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Genômica para o Melhoramento de Citros (INCT-Citros).

Matheus Docema estudou a resposta dessas plantas transgênicas à infecção por essas doenças em sua tese de doutorado. Foto: Arquivo pessoal

O gene csd1 foi inserido no DNA de 13 mudas de laranjeiras. Esse gene codifica a superóxido dismutase do cobre e do zinco, e está envolvido na resposta de defesa das plantas. Já o gene 4de1, que codifica um potente peptídio antimicrobiano, foi inserido em dez mudas. Depois, os pesquisadores multiplicaram essas mudas e inocularam nelas as bactérias causadoras do greening e do cancro cítrico para testar a resistência proporcionada por esses genes.

Sintomas de cancro cítrico em folhas de laranja ‘Hamlin’ não transgênica

As mudas geneticamente modificadas vieram de trabalhos anteriores, realizados por outras pesquisadoras da Esalq: Tatiana de Souza Moraes e Lísia Borges Attílio, que produziram as plantas transgênicas expressando os genes csd1 e d4e1.

A multiplicação foi feita através de enxertia, um processo no qual uma borbulha (o broto da planta) é destacada e inserida no caule de outra planta compatível (nesse caso, porta-enxertos de limão-cravo), a partir do qual uma nova planta com as mesmas características genéticas da original se desenvolve.

Sete mudas (quatro do gene csd1 e três do gene d4e1) mostraram resistência contra a Xanthomonas citri, bactéria causadora do cancro cítrico, e seis (cinco do gene csd1 e um do gene d4e1) mostraram resistência contra Candidatus Liberibacter asiaticus, bactéria causadora do greening. A resistência contra HLB, especialmente agressiva, não foi muito eficaz a longo prazo (12 meses após a infecção).

Os trabalhos com plantas transgênicas de citros no Brasil não são recentes, e o Laboratório de Biotecnologia de Plantas Hortícolas já faz transformações genéticas desde o final da década de 1990. Entretanto, essas plantas geneticamente modificadas ainda precisam passar por outros testes antes de poderem ser utilizadas na agricultura.

Sobre o que os achados da sua tese significam para o futuro, Docema comenta: “O próximo passo é levar essas plantas transgênicas que mostraram resultados promissores para experimentos em campo, daí fazer novas avaliações, como da adaptação climática, desenvolvimento da copa e qualidade de fruto, que é nosso objetivo final. O que a gente quer é a menor quantidade de defensivos químicos para controlar essas doenças. Quanto maior a resistência da planta, menor a necessidade do uso de agrotóxicos e menor o impacto ao meio ambiente, perigo para o agricultor, etc. Esse é o objetivo principal do uso de plantas transgênicas”.

Mais informações: e-mail matheus.docema@alumni.usp.br, com Matheus Luís Docema

Leia Mais +

Brasil só tende a ganhar com adoção de agricultura sustentável

Alimentos transgênicos vão deixar de “assustar” consumidor


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.