Historiadora recupera trajetória de Arinda da Cruz Sobral, a primeira mulher arquiteta do Brasil - e talvez da América Latina

Apesar de ter até um projeto seu em área tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), essa pioneira na área tinha sido em grande parte esquecida – até agora

Historiadora recupera trajetória de Arinda da Cruz Sobral, a primeira mulher arquiteta do Brasil - e talvez da América Latina

Apesar de ter até um projeto seu em área tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), essa pioneira na área tinha sido em grande parte esquecida – até agora

 24/06/2022 - Publicado há 2 meses

Texto: Sebastião Moura

Arte: Ana Júlia Maciel

Apesar de 64% do total de profissionais registrados de arquitetura e urbanismo no Brasil serem mulheres, as narrativas sobre essas profissionais estão praticamente ausentes da historiografia nacional. Buscando preencher essa lacuna na memória coletiva, a historiadora Camila Belarmino investigou, através de documentos oficiais e jornais da época, a história das 28 primeiras mulheres matriculadas entre 1907 e 1938 no primeiro curso de arquitetura do País, na Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro.

Entre elas, Camila descobriu Arinda da Cruz Sobral, responsável pelo primeiro projeto feito por uma mulher no País: a Capela São Silvestre, finalizada em 1918, no Rio de Janeiro. Apesar de o edifício estar localizado em um área tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o Parque Nacional da Tijuca, sua autora foi sistematicamente invisibilizada na história oficial.

“Em 19 de janeiro de 1912, menos de um mês depois da cerimônia de inauguração oficial da obra com o presidente Hermes da Fonseca, na virada do ano, a Capela é citada no jornal A Imprensa, com menção ao desenho ser de Arinda. Depois disso, a construção em si segue sendo lembrada até hoje, aparecendo em reportagens tão recentemente como em 2020mas Arinda nunca mais recebeu o devido crédito, nem mesmo em registros oficiais”, narra a pesquisadora.

 Fachada da Capela São Silvestre,  localizada na Estrada Heitor da Silva Costa, no bairro de Santa Tereza, no Rio de Janeiro – Foto: Cedida pela pesquisadora

Ela também comenta que, já em 1928, uma reportagem publicada na Gazeta de Notícias descreve equivocadamente Danúzia Palma Dias (outra das profissionais estudadas por Camila) como primeira brasileira diplomada em arquitetura, reforçando a velocidade desse processo de apagamento.

A participação feminina no mercado de trabalho na Primeira República

Em 16 de dezembro de 1911, o fato de Arinda ser a primeira arquiteta formada na ENBA foi registrado pelo jornal carioca de grande circulação O Paiz, com a chamativa manchete Primeira Architecta

Capa do jornal O Paiz, periódico de grande circulação na cidade do Rio de Janeiro, registrou o fato de Arinda ser a primeira arquiteta formada pela ENBA, em 16 de dezembro de 1911 - Foto: Cedida pela pesquisadora

Em entrevista ao Jornal da USP, Camila explica o que aquilo significava no contexto: “Naquele período dos primórdios da República brasileira, o curso da ENBA não era ainda considerado de nível superior, e a arquitetura, enquanto curso, era malvista por ser associada ao regime monárquico, recém-deposto. Dentro dessa conjuntura, divulgar a formação de uma mulher era uma maneira da instituição se mostrar alinhada aos valores liberais positivistas do novo sistema político e, dessa forma, tentar conquistar algum prestígio”.

A historiadora especula que esse seja o motivo da ênfase no fato dada pela imprensa, evidenciado, por exemplo, no uso deliberado da palavra architecta flexionada no feminino, apesar de a autorização para essa variação em diplomas só ter acontecido oficialmente em 2012, com a sanção da lei 12.605 pela presidente Dilma Roussef, outro exemplo de figura pública que fez do uso do termo “presidenta” flexionado no feminino uma declaração política.

Para Camila, o esquecimento de Arinda, nas condições em que aconteceu, é expressão de um modo patriarcal de produção de memória. Dentro da história da arquitetura, estabeleceu-se que as obras são fruto da genialidade de pessoas representativas de um ideal masculino de excepcionalidade. A recuperação da trajetória de Arinda oferece uma oportunidade não só de trazer o reconhecimento devido para as mulheres que participaram no processo de legitimação da arquitetura, mas também de questionar toda essa narrativa.

“Arinda foi escolhida para participar desse projeto a partir de programa estipulado pelo professor Ernesto da Cunha Araujo Vianna, na ENBA, e conexões profissionais com o coronel João Victorino da Silveira e Souza Filho, idealizador da obra. Mais do que a excepcionalidade de uma única figura, o que aparece aqui é rede de colaboração entre várias pessoas contribuindo de diferentes maneiras. E isso não vale só para ela, mas para todos esses personagens históricos que convencionamos tratar como gênios”, aponta ela.

Camila Almeida Belarmino é mestra em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e atua como professora de ensino superior - foi na docência, através de perguntas de alunas que questionaram a escassez de figuras femininas na história hegemônica da arquitetura, que ela decidiu pesquisar o tema no seu doutorado em Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo na USP - foto: Arquivo Pessoal

Em termos de ações, a pesquisadora está atualmente tentando entrar em contato com os órgãos responsáveis para propor o reconhecimento de Arinda da Cruz Sobral como uma das pioneiras da arquitetura na cidade do Rio de Janeiro através de algum prêmio honorífico, a restauração da Capela São Silvestre e a recolocação da placa indicativa da autoria do projeto, mas ainda não teve nenhuma resposta.

As descobertas foram feitas no âmbito da pesquisa de doutorado de Camila em andamento no Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da USP, em São Carlos, A mulher na arquitetura e no urbanismo: trajetórias profissionais entre as décadas de 1910 e 1960 no Rio de Janeiro, orientada pela professora Eulália Negrelos. As informações sobre Arinda, especificamente, também foram coletadas em um artigo que será publicado na revista risco, do IAU.

Mais informações: e-mail cbelarmino@usp.br, com Camila Belarmino


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.