Preço dos combustíveis tem maior impacto para a população de menor renda

Segundo Luciano Nakabashi, o preço alto é resultado da demanda de petróleo em nível mundial e do câmbio, que depende da instabilidade que vivemos hoje, muito grande em termos políticos e econômicos”

 Publicado: 24/09/2021
Por
O preço dos combustíveis não para de crescer e dá sua cota para o aumento da inflação – Foto: Wikimedia Commons

 

De instabilidade política e econômica à seca intensa, a alta dos preços dos combustíveis só agrava a inflação e aumenta a conta no bolso do consumidor. Essa é a avaliação de Luciano Nakabashi, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, sobre a situação atual, resultado da “demanda de petróleo em nível mundial e do câmbio, que depende da instabilidade que vivemos hoje, muito grande em termos políticos e econômicos”.

O quanto esse aumento afeta a vida do povo brasileiro depende da renda e “de como a pessoa usa os combustíveis”, diz Nakabashi. Se usa transporte público ou o próprio e a distância que percorre nas atividades diárias são variáveis que podem significar mais ou menos gastos. Mas uma coisa é certa: “Quanto maior a renda, o aumento tem um impacto relativamente menor; quanto menor a renda, o aumento do preço tem um impacto significativo”.

Questionado sobre a possibilidade de queda nesses valores, Nakabashi diz que sim, desde que as duas situações que cita melhorem, criando tendência “de apreciação do câmbio e redução em reais do preço do petróleo”.

Já para Renê Carlos Abbad, vice-presidente da Brascombustíveis, uma associação brasileira de donos de postos, essa é uma pergunta difícil de responder, pois o mercado de combustíveis “é um mercado à vista”, que depende de duas variáveis, a cotação do petróleo e a variação do dólar. “Se, por um lado, o petróleo tem tido alguma queda recente, por outro, o dólar tem se valorizado em relação ao real”, exemplifica.

E, quanto ao etanol, Abbad informa que vem enfrentando problemas em função do óleo diesel e também em função do clima, já que “a maior seca dos últimos 91 anos se reflete na produção do etanol”.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.