Cerca de 200 milhões de pessoas no mundo apresentam alergia alimentar

Especialistas comentam dados da Organização Mundial da Saúde na Semana Nacional de Conscientização sobre Alergia Alimentar

 13/05/2024 - Publicado há 1 mês
Por
Pessoas com alergia alimentar devem ficar atentas aos rótulos dos alimentos – Ilustração: vectorjuice/Freepik
Logo da Rádio USP

A alergia alimentar é um assunto extremamente preocupante e com impactos significativos na saúde pública, pois, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), de 200 a 250 milhões de pessoas sofrem com alergia a algum tipo de alimento. 

Fábio Dias – Foto: Arquivo Pessoal

Segundo o médico Fábio Dias, assistente da Divisão de Imunologia e Alergia Pediátrica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HC-FMRP) da USP, essa condição alérgica atinge principalmente a faixa etária infantil entre 0 e 6 anos, em torno de 5% a 10% dessa população. Com o aumento da idade, essa porcentagem diminui, mas varia de acordo com o fator desencadeador. 

Para conscientizar a população sobre a reação alérgica que algumas substâncias presentes nos alimentos podem causar, foi instituída no Brasil a Semana Nacional de Conscientização sobre Alergia Alimentar, sempre a terceira semana de maio, que este ano é de 13 a 19.  

Pérsio Roxo – Foto: Vladimir Tasca / USP Imagens

Para o chefe da Divisão de Imunologia e Alergia Pediátrica do HC-FMRP, professor Pérsio Roxo Júnior, essa semana de conscientização é muito importante para que as pessoas tenham o conhecimento sobre a doença, pois há um aumento do número de casos no mundo. “É um problema iminente de saúde pública, muitas vezes silenciosa, mas que pode se manifestar depois da ingestão direta ou indireta de alguns alimentos, causando quadros leves ou até graves como a anafilaxia (reação alérgica aguda) .” Ainda de acordo com o professor, quadros graves podem ser até mesmo fatais, por isso, é essencial saber identificar e prevenir da maneira correta.  

Identificação e cuidados

A médica Patrícia Schiavotello Stefanelli, assistente da Divisão de Imunologia e Alergia Pediátrica do HC-FMRP, diz que alimentos como o leite de vaca, ovo, soja, trigo, amendoim, castanhas, peixes, frutos do mar, sementes e frutas como a banana podem ser os causadores dos sintomas de alergia. 

Patrícia Stefanelli – Foto: Arquivo Pessoal

Além disso, é importante ficar atento, pois pode se tratar de uma predisposição genética. “Crianças com dermatite atópica ou que tenham pais ou irmãos com algum tipo de doença alérgica têm maior risco de desenvolver alergia alimentar. Segundo Patrícia, a doença depende de uma predisposição genética, porém, outros fatores, como a alteração do meio ambiente, um estilo de vida com menor contato com a natureza e o excesso da ingestão de alimentos ultraprocessados, pobres em fibras, quando estão associados ao fator genético, podem estar relacionados ao diagnóstico futuro da alergia”, aponta a especialista.

Sobre os sintomas de uma alergia alimentar, o médico Fábio Dias relata que os mais comuns estão relacionados à pele, ao sistema respiratório, o estômago e o intestino e, ainda, aqueles relacionados ao coração e vasos sanguíneos, que são os cardiovasculares. “É importante ficar atento aos sintomas e procurar atendimento médico sempre que necessário.”

Laura Brentini – Foto: Linkedin

Como forma de prevenção, os pacientes devem se informar adequadamente sobre os componentes alergênicos de produtos e de alimentos que estão sendo ingeridos. Por isso, é importante ficar atento aos rótulos dos alimentos, afirma a médica Laura Brentini, residente da Divisão de Imunologia e Alergia Pediátrica do HC-FMRP. “Em relação aos alimentos embalados, os rótulos se tornam o principal meio de comunicação, pelo qual o fabricante pode informar o consumidor se tem ou não a presença daquele alérgeno. Com isso, nós devemos ficar sempre atentos aos rótulos para prevenir reações em pacientes que tenham alergia a determinado alimento.”

*Estagiária sob supervisão de Rose Talamone e Ferraz Junior


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar no ar veiculado pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h, 16h40 e às 18h. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.