Ardência ao urinar é um dos sintomas da tricomoníase

A infecção sexual pode ocorrer em homens e mulheres e deve ser evitada com o uso de preservativos

Na segunda edição do Pílula Farmacêutica desta semana, o tema abordado é a tricomoníase, uma infecção sexualmente transmissível e extremamente comum nos dias atuais.

Apesar de ser mais comum entre as mulheres, atingindo principalmente o trato vaginal inferior, a infecção também pode acontecer no trato genital masculino. O protozoário é transmitido na relação sexual. Não é comum o parasita infectar outras partes do corpo, como as mãos, a boca ou o ânus.

Preservativo – Foto: Bru-nO / Pixabay / CC0 via RP / Thainan Honorato

Depois do contágio, os primeiros sinais e sintomas da doença podem levar de cinco a 28 dias para aparecerem. Nas mulheres, pode ser um corrimento com odores desagradáveis, sangramentos vaginais, coceiras na região e dores ao urinar. Os homens também podem apresentar corrimentos, ardência ao urinar e ejacular, entre muitos outros sintomas, mas podem variar de pessoa para pessoa.

O tratamento é feito com o uso de antibióticos e é importante que o paciente não tenha relações sexuais durante o processo. Mesmo após o desaparecimento dos sinais, as relações devem ser feitas com o uso de preservativos e observar constantemente a presença dos corrimentos.

 O boletim Pílula Farmacêutica é apresentado pelos alunos de graduação da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP com supervisão da professora Regina Célia Garcia de Andrade. Trabalhos técnicos de Luiz Antonio Fontana. Ouça, no link acima, a íntegra do boletim.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.