“Sempre que a ciência for atacada, temos que nos levantar”

Em palestra na USP, Ricardo Galvão diz que País não vai voltar à época das trevas, mas para isso seus pares precisam responder com firmeza aos ataques contra a ciência

.

..

.

Por Ivanir Ferreira com colaboração de Valéria Dias e Herton Escobar

.

Ricardo Galvão falou no USP Lecture sobre “Autonomia e Liberdade Científica” – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

 

“A comunidade acadêmica e científica e o povo brasileiro não se calarão” para evitar uma “volta às trevas”. Com essas palavras, o físico Ricardo Galvão encerrou a apresentação que marcou seu retorno à Universidade de São Paulo (USP), após ser exonerado da diretoria do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Foi aplaudido de pé, longamente, pelo auditório lotado. “Sempre que a ciência for atacada, temos que nos levantar”, disse o pesquisador, que é livre-docente do Instituto de Física da USP e estava cedido ao Inpe. “Devemos sempre lutar contra os assaltos e os ataques à ciência, independentemente da nossa ideologia partidária ou política.”

Galvão foi exonerado da diretoria do Inpe no início de agosto, após uma série de embates públicos com o presidente Jair Bolsonaro e com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobre o monitoramento do desmatamento na Amazônia. Ele defendeu, mais uma vez, a credibilidade dos dados do Inpe e o trabalho dos técnicos do instituto, que é internacionalmente reconhecido como referência no assunto. “As autoridades sempre se incomodam quando os dados não dizem aquilo que elas gostariam de ouvir”, disse, lembrando que o Inpe foi atacado também em governos passados. Mas a credibilidade científica dos dados prevaleceu sobre a política, até agora.

 

O cientista defendeu, mais uma vez, a credibilidade dos dados do Inpe e o trabalho dos técnicos do instituto – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

 

Em diversos momentos Galvão se emocionou. Porém, sem deixar de mostrar força e convicção ao dizer que, embora sejam tempos difíceis, o Brasil “não está voltando à época das trevas”, se referindo ao período da ditadura militar brasileira, em que vários cientistas foram perseguidos e cassados. O evento que trouxe Galvão para palestrar foi uma edição do USP Lecture, programa da Pró-Reitoria de Pesquisa (PRP) da USP, que aconteceu dia 16 de agosto, na Cidade Universitária, em São Paulo.

“A ciência sempre sofreu pressão de poderosos e seus resultados incomodam bastante; e as vezes em que os cientistas recuaram, não foi bom para a humanidade”, afirmou. Sempre se mostrando otimista, o físico disse que acredita que a turbulência pela qual a ciência passou nos últimos dias tenha chamado a atenção da sociedade, e que considera ser difícil que os ataques continuem ocorrendo.

Galvão lembrou também que, além das questões políticas partidárias que geraram a crise, falsas mensagens divulgadas por mídias como o WhatsApp vêm fazendo crescer o movimento anticientífico e obscurantista, e podem ter influenciado a questão entre ele e o governo federal.

O professor citou também o comentário do professor Paulo Nussenzveig, em sua coluna na Rádio USP, para dizer que o conhecimento científico não pertence à esquerda nem à direita. Na coluna, em que aborda um editorial da revista Nature, Nussenzveig diz que “[o cientista] deve manter distância de questões partidárias e ideológicas. O conhecimento cientificamente embasado não é atributo da direita ou da esquerda. É um patrimônio a ser utilizado para a sobrevivência e prosperidade da humanidade como um todo”.

Em entrevista ao Jornal da USP após o evento, Nussenzveig criticou a postura do ministro Salles, que questionou os dados do Inpe sem apresentar evidências concretas do que estava falando. Em entrevista coletiva no dia 1º de agosto, em Brasília, Salles projetou uma série de números e imagens de satélites da empresa Planet que, segundo ele, comprovavam falhas no sistema de monitoramento Deter. Os dados e a metodologia das análises, porém, não foram disponibilizados, nem mesmo ao Inpe.

“Para a ciência, o que o Ministério do Meio Ambiente apresentou é nada; porque não existe ciência sem transparência de dados e metodologia”, disse Nussenzveig, professor titular do Instituto de Física da USP. “Nem há o que refutar, porque nada de concreto foi apresentado.”

Segundo ele, Salles estaria fazendo algo que é considerado uma “falta ética gravíssima” na ciência: escolhendo alguns dados específicos para comprovar uma tese preconcebida, e ignorando o resto.

Galvão fez a mesma argumentação em sua apresentação, dizendo que o ministro havia selecionado alguns dados que estariam dentro da margem de erro do sistema. Ele disse que o Inpe solicitou duas vezes, por ofício, acesso aos dados apresentados por Salles, para fazer uma checagem técnica, mas o pedido não foi atendido.

Ele questionou o fato de o ministro já ter anunciado o interesse de contratar os serviços da empresa Planet, sem antes ter feito uma licitação. E disse que as imagens de altíssima resolução vendidas pela empresa permitem um detalhamento que é desnecessário para o monitoramento em tempo real da Amazônia, como é feito pelo Deter. “Imagine analisar a Amazônia inteira com uma resolução de dois metros. Para quê?”, questionou depois, em conversa com jornalistas, lembrando que a copa de uma única árvore na Amazônia tem mais de 10 metros de diâmetro. “Não preciso enxergar a porta para saber que uma casa está sendo derrubada”, comparou. “O ministro está caindo no canto da sereia dos vendedores.”

Por fim, Ricardo Galvão defendeu que “os cientistas não podem ficar calados” diante desta realidade. “Temos que nos manifestar, e com força. Não podemos baixar a guarda.”

Uma carreira a respeitar

 

Ricardo Galvão: a ciência não é de esquerda nem de direita – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

 

Professor titular do Instituto de Física (IF) da USP, Ricardo Magnus Osório Galvão, de 71 anos, atua na área de fusão nuclear e é considerado pesquisador de renome internacional. Foi nomeado diretor do Inpe em 2016 por Gilberto Kassab, que na época era o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Foi presidente da Sociedade Brasileira de Física e membro do Conselho da Sociedade Europeia de Física. É membro da Academia de Ciências do Estado de São Paulo e da Academia Brasileira de Ciências, Fellow do Institute of Physics.

Em seu curriculum, constam premiações concedidas pelo Centro Internacional de Física Teórica de Trieste, na Itália, por suas contribuições teóricas em equilíbrio e estabilidade magneto-hidrodinâmica, modos resistivos e interação de laser com a matéria; também foi admitido na classe de comendador da Ordem Nacional de Mérito Científico e recebeu a medalha Carneiro Felippe, que é destinada a premiar brasileiros ilustres que contribuíram para o desenvolvimento das aplicações pacíficas da energia nuclear no País.

 

USP Lectures

 

Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

 

O programa USP Lectures, da Pró-Reitoria de Pesquisa, nasceu em 2015 com a finalidade de ampliar o acesso a discussões científicas atuais para diferentes públicos, especializados ou não. Os eventos prestam homenagem a pesquisadores e docentes condecorados com premiações nacionais e internacionais, que falam tanto de suas experiências acadêmico-científicas, quanto de suas trajetórias de vida. O evento aconteceu na Sala do Conselho Universitário (Rua da Reitoria, 374, Cidade Universitária, Butantã, São Paulo) das 14 às 16 horas. Houve transmissão ao vivo pela IPTV da USP.

Mais informações: eventosprp@usp.br ou pelo site http://prp.usp.br/usp-lectures

.

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •