Instituto Oceanográfico incentiva a participação de mulheres na ciência

A iniciativa Mergulho na Ciência USP reúne meninas do ensino fundamental para conhecerem as atribuições das cientistas e fazerem um tour pelo campus

O Especial Oceanos do Jornal da USP do Ar de hoje (27) aborda a representação feminina na ciência, mais especificamente na oceanografia. Camila Negrão Signori, professora do Instituto Oceanográfico (IO) da USP e coordenadora do Mergulho na Ciência USP, comenta que o projeto leva meninas do 5º ao 9º ano do ensino fundamental para a USP, apresentando as atribuições de cientistas das áreas de ciência, tecnologia, matemática e engenharia (sigla STEM em inglês). Durante o passeio, as jovens visitam laboratórios, museus e até o restaurante universitário.

Parado atualmente devido à pandemia, a iniciativa, que foi reconhecida pelo programa HeforShe da ONU, conta com várias cientistas acadêmicas na organização, incluindo alunas da graduação que fazem a ponte entre escola e universidade. Para Camila, essa é uma oportunidade de mostrar às meninas que elas podem ocupar essas áreas, além de ser uma oportunidade de empoderá-las, uma vez que se dá dentro de uma grande universidade como a USP. Por isso, a professora explica que o foco do projeto é no presencial, pois há a experiência de estar na Universidade. Mas, ainda assim, alguns acompanhamentos com meninas que já participaram da iniciativa estão sendo realizados de forma on-line.

Apesar dos avanços atuais, dados mostram que as mulheres cientistas ainda são minoria. A professora Camila explica que os dados variam de 40% a 50% de participação feminina na ciência no Brasil e afunilam nas ciências exatas, de 20% a 30%. Ela explica a importância de ter mulheres nos cargos acadêmicos. Na USP, há 39% de professoras docentes e 27% de mulheres nos cargos de chefia. 

Camila cita também grandes nomes da área da oceanografia no mundo: Kathy Sullivan, ex-astronauta da Nasa, e Rachel Carson. Também foca no Brasil, com, por exemplo, Marta Vannucci, professora aposentada e ex-diretora do IO-USP e primeira mulher a se tornar membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC). 

Pelo que vê nas últimas turmas de calouros ingressantes, Camila destaca que a participação de meninas na área vem crescendo nos últimos anos. Para ela, existem vários “projetos de formiguinha” em todo o Brasil que desejam mudar o cenário atual e mostrar mais oportunidades de atuação às meninas.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.