Chegada do La Niña pode afetar geração de energia e agricultura do País

Pedro Luiz Côrtes explica que o fenômeno começará cerca de três meses após o fim do El Niño, que provocou períodos de chuva e seca intensos

 22/03/2024 - Publicado há 3 meses
Os impactos desse fenômenos climáticos vêm causando transtornos também no setor agrícola – Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Logo da Rádio USP

Com o começo do outono, aproxima-se também o encerramento do fenômeno El Niño, que foi responsável por chuvas e secas intensas durante o verão em 2023 e 2024. A expectativa, no entanto, é de que no segundo semestre se inicie outro fenômeno meteorológico, o La Niña, e o professor Pedro Luiz Côrtes, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da Universidade de São Paulo, analisa qual deve ser seu reflexo no clima e na produção do País. 

La Niña

Segundo o especialista, a situação que ocorre neste ano é inusitada, pois o intervalo entre o El Niño e La Niña será mais curto que o usual. Ele afirma que esse período entre os dois fenômenos, o qual é chamado de neutralidade, costuma durar muitos meses, mas neste ano acontecerá apenas entre os meses de abril e junho.

De acordo com o docente, o El Niño gera estiagem na região Norte e chuvas intensas na região Sul, como foi demonstrado com as recentes secas amazônicas e enchentes nos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Ele conta que o La Niña inverte a situação, então são esperadas fortes chuvas na Amazônia e temperaturas elevadas nas faixas central e sul do País.

“O aquecimento intenso da região do Mato Grosso do Sul e Pantanal deve permanecer até o segundo semestre, então é importante já estarmos alertas para redobrar a vigilância e reforçar as equipes de combate com o risco de incidência de queimadas e incêndios florestais. Resumindo, vamos ter um período de estiagem significativo e a temperatura deve permanecer acima da média do período”, informa.

Pedro Luiz Côrtes – Foto: IEA-USP

Energia Elétrica

Conforme Côrtes, a indústria de energia do País fez altos investimentos na geração solar e eólica, portanto, tem plenas condições de atender à demanda da população mesmo se a seca atingir os reservatórios de água das hidrelétricas. Ele afirma, contudo, que o consumo de energia das pessoas aumentou consideravelmente no último ano a partir do uso intenso de aparelhos como ares condicionados, geladeiras e freezers para reduzir o impacto das ondas de calor, e isso pode acabar gerando problemas no fornecimento.

“Nossas linhas de transmissão não têm problemas estruturais significativos e dão conta do recado, mas o problema está nas distribuidoras regionais. Temos visto, aqui em São Paulo, vários locais com falta de energia, sem que isso esteja vinculado a questões climáticas, porque são questões estruturais das distribuidoras locais que não se prepararam para atender a essa demanda crescente, que já vem desde o início da primavera”, analisa.

Segundo o professor, diversas hidrelétricas já receberam a orientação do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para manterem o nível dos reservatórios alto, ou seja, para que reduzam a geração de energia neste momento, com o intuito de terem água suficiente para suprir o período de estiagem, evitando assim a necessidade de recorrer a fontes de energias mais caras, como as das termelétricas.

Agricultura

De acordo com Pedro Luiz Côrtes, os impactos desse fenômenos vêm causando transtornos também no setor agrícola e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) já se manifestou preocupada com a quebra de safra no País, principalmente a de soja. Ele completa afirmando que uma série de produtores de milho teve que atrasar o plantio por causa da falta de chuvas e agora não está conseguindo realizar a colheita.

“Alguns agricultores reclamaram com o governo, que sinalizou com a possibilidade de um financiamento emergencial por conta dessa possibilidade de quebra de safra. Nós não conseguimos negociar com o clima, mas nós temos ferramentas para antecipar o que pode acontecer e nos prepararmos para essa eventualidade”, finaliza.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar no ar veiculado pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h, 16h40 e às 18h. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.