As novas relações de trabalho pós-pandemia já não dão espaço para estruturas burocráticas

É no que acredita Luli Radfahrer ao falar sobre o novo cenário de trabalho surgido com a pandemia, do qual o exemplo maior é o trabalho remoto

 01/04/2022 - Publicado há 8 meses

Falando sobre o trabalho na pós-pandemia, Luli Radfahrer diz que “as coisas não vão voltar exatamente como eram antes, porque elas nunca voltam exatamente como eram antes”. De acordo com ele, várias coisas mudaram após a pandemia, e cita, como exemplo, a virtualização. “Muita gente entendeu que o trabalho remoto é legal e por mais, obviamente, que seja ruim você ficar completamente confinado, completamente remoto, você vai ter uma vida sem trânsito, e uma vida parcialmente remota pode ser muito boa.” A consequência, de acordo com ele, é uma maturidade muito maior nas relações de trabalho.

Ainda segundo o colunista, se a maturidade nas relações trabalhistas ainda não chegou a um ponto ideal é porque tem gente que abusa. E explica: “Um dos maiores problemas que a gente está tendo, agora, são empresas que usam dessa ideia do trabalho remoto para criar estruturas de vigilância para ligar a câmera do indivíduo e checar se ele está trabalhando. Esse profissional funciona exatamente como aquele professor ruim, que é obrigado a fazer chamada para prender o indivíduo lá dentro”. Ou seja, quando se trabalha num lugar em que se é obrigado a permanecer na frente da máquina ou a bater o ponto virtual de várias formas, o jeito é mudar de emprego. “Esse tipo de trabalho, esse tipo de estrutura burocrática está perdendo terreno muito rápido e provavelmente não vai durar muito.”


Datacracia
A coluna Datacracia, com o professor Luli Radfahrer, vai ao ar toda sexta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

,


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.