Pílula Farmacêutica #9: Entenda como a doação de medula óssea funciona

A medula óssea, também conhecida como tutano, é um tecido gelatinoso encontrado dentro dos ossos. A medula desempenha um papel fundamental na produção das células sanguíneas, como os glóbulos brancos, vermelhos e também as plaquetas. Pacientes que sofrem de leucemia ou síndromes de imunodeficiência congênitas, que afetam a formação normal das células do sangue, geralmente necessitam de transplante de medula óssea

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=292378

Pílula Farmacêutica #9: Entenda como a doação de medula óssea funciona
Pílula Farmacêutica

 
 
00:00 / 5:35
 
1X
 

Um transplante de medula óssea é a substituição de uma medula doente ou ineficaz por uma saudável, de um doador compatível, com o objetivo de que novas células sanguíneas sejam fabricadas. 

Quando um doador compatível é encontrado, ele deve passar por uma pequena e rápida cirurgia com o uso de anestesia, onde são feitas de quatro a oito punções nos ossos da bacia. São tirados 15 mililitros de medula por cada quilo do doador. A doação da medula não oferece nenhum risco e o doador tem alta no dia seguinte.

Existe outro método de coleta de medula, chamado aférese. Nesse método, o doador toma um medicamento durante cinco dias, o qual estimula a produção de células-tronco circulantes no sangue. Depois desses dias, o indivíduo faz uma doação por meio da máquina de aférese, que tira o sangue, separa as células-tronco e devolve o restante para o doador. 

As células precursoras de medula óssea, encontradas no cordão umbilical, também são outra fonte de doação. Quando um bebê nasce, o cordão umbilical é cortado e lacrado com uma pinça e o sangue que permaneceu ali dentro é drenado para uma bolsa de coleta. Esse sangue coletado vai para um laboratório e então as células-tronco são separadas, preparadas e congeladas, podendo ficar armazenadas por muitos anos nos Bancos Públicos de Sangue e Cordão Umbilical.

Para ser um doador, é necessário ter entre 18 e 55 anos, estar em bom estado de saúde, não ter nenhuma doença infecciosa como HIV, hepatite e também não apresentar histórico de câncer, doenças do sangue e imunológicas.

Ouça acima o podcast na íntegra.


Pílula Farmacêutica
 
Apresentação: Kimberly Fuzel e Giovanna Bingre
Produção: Professora Regina Célia Garcia de Andrade e Rita Stella
Co-produção: Rita Stella
Edição geral: Cinderela Caldeira
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: segunda e quarta, às 10h40
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS .
Veja todos os episódios de Pílula Farmacêutica .

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.