Cresce o número de famílias que preferem ter pets em vez de filhos

O aumento na preferência por animais de estimação em vez de filhos reflete mudanças na sociedade e na dinâmica familiar, alegam especialistas

 21/06/2023 - Publicado há 10 meses
Por
A demanda por ambientes pet friendly, amigos de pets, tem se tornado crescente – Foto: Pixabay

 

Logo da Rádio USP

Nos últimos anos, tem-se observado um número crescente de pessoas que optaram por ter animais de estimação em vez de filhos. Esse movimento, conhecido como pet parenting ou parentalidade de animais de estimação, reflete uma mudança nos padrões de vida e nas prioridades das pessoas. 

O pet parenting envolve a adoção consciente e responsável de animais de estimação, como cães e gatos, e a criação de um vínculo emocional forte e duradouro com esses companheiros de quatro patas. Para muitas pessoas, os animais de estimação tornaram-se membros da família, recebendo amor, cuidado e atenção semelhantes aos que seriam dedicados a uma criança, a tal ponto que os pets são batizados com nomes de pessoas.

Raiane Mantovani e Coraline – Foto: Arquivo Pessoal

Raiane Mantovani, veterinária e influencer, escolheu essa forma não convencional de ser “mãe”. Abriu mão de ter filhos e adotou Coraline, uma cachorrinha vira-lata. “A maternidade obriga a gente a abdicar de muitas coisas das quais eu não estou disposta. É a minha carreira, meus sonhos, minhas metas”, relata Raiane. “Hoje eu sou casada e meu marido tem os mesmos objetivos e sonhos, e a nossa cachorrinha Coraline está incluída em todos eles.”

Com 149,6 milhões de animais de estimação, segundo o censo do Instituto Pet Brasil (IPB) de 2021, o Brasil é o terceiro país em número de animais domésticos. Considerando os 215 milhões de brasileiros, pelo menos 70% da população tem um pet em casa ou conhece alguém que tenha.

Assim, a demanda por ambientes pet friendly, amigos de pets, tem se tornado crescente,  junto à necessidade de uma ampla gama de produtos, como enxovais, carrinhos para passeio e até mesmo berços e creches para os animais de estimação. 

Amor incondicional

Raiane afirma ser essencial que Coraline esteja com ela e seu marido em todos os momentos importantes. “Ao pensar em viagens, hotéis ou até mesmo restaurantes, é fundamental que eles sejam pet friendly e que ela possa aproveitar conosco.”

A veterinária ainda aborda os preconceitos que enfrenta por ser tutora de pet, lidando com comparações sobre as responsabilidades maternas de ter um filho e cuidar de um pet. “Muitas pessoas têm preconceito com o termo ‘mãe de pet’ porque acreditam que os desafios da maternidade são diferentes dos desafios de cuidar de um animal de estimação. No entanto, acredito que a maternidade não se trata apenas de enfrentar desafios, mas sim sobre o amor incondicional que a gente sente por aquele serzinho que a gente cuida com tanto zelo e com tanto carinho, seja ele um pet ou um filho”, relata Raiane.

Sérgio Kodato – Foto: FFCLRP/USP

O professor Sérgio Kodato, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP de Ribeirão Preto, acredita que os donos de pets podem adquirir um forte vínculo emocional pelos seus bichos, uma vez que esses animais passam a ocupar o lugar de um filho, tornando-se membro da família, criando hábitos, alterando rotinas de seus donos e até mesmo modificando o financeiro de um lar, fatores que alimentam uma dinâmica familiar.

O amor incondicional pelos pets acaba gerando um desafio significativo, segundo Raiane. Ela acredita que o maior obstáculo é saber que o tempo de vida de um pet é menor comparado ao da vida humana: “O tempo deles é tão curto, por isso procuro sempre proporcionar o melhor para eles, às vezes até exagero”.

Crescimento do fenômeno pet parenting

Wlaumir Souza – Foto: Arquivo Pessoal

Wlaumir Souza, sociólogo e psicanalista, explica que o fenômeno pet parenting está se tornando cada vez mais comum, devido às condições financeiras e ao encarecimento de ter um filho, além de uma mudança no modelo familiar. “Nós estamos saindo do modelo da família nuclear familiar para a família pet familiar, isso significa maior isolamento humano diante da incapacidade de comunicação e diálogo.”

Souza explica que os animais não respondem, não questionam e são fiéis aos seus donos e, portanto, são mais fáceis no convívio. “Para ser exato, o tutor do pet não quer uma pessoa independente, com opiniões únicas e pensamento crítico, ele quer alguém que não o questione.”

Kodato chama esse fenômeno moderno de humanização de animais e desumanização de crianças. “Essa perspectiva traz à tona uma série de reflexões e questionamentos sobre a maneira como estamos moldando nossas relações com os animais de estimação e os impactos que isso pode ter no desenvolvimento das crianças.”

O professor ainda informa que, à medida que a atenção e os recursos são desviados dos filhos para os pets, pode ocorrer uma diminuição da interação familiar e da convivência entre pais e filhos. “Algumas famílias podem concentrar seus esforços emocionais e financeiros no cuidado dos animais, negligenciando aspectos fundamentais do desenvolvimento infantil, como a educação, o apoio emocional e as experiências sociais.”


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.