São Paulo luta contra desperdício de alimentos, mas lei ainda deixa a desejar, afirmam especialistas

Com mais de um ano de aplicação de regulamentação que busca reduzir desperdício e promover doações, ONGs e acadêmicos ressaltam a urgência de parcerias entre setores e abordagem abrangente para lidar com insegurança alimentar na cidade

 11/08/2023 - Publicado há 2 meses
Por

Antes da regulamentação, o processo de doação de alimentos enfrentava obstáculos, com questões ligadas a exigências sanitárias – Foto: Freepik

 

Especialistas em segurança alimentar afirmam que, embora São Paulo tenha avançado em seus esforços para combater o desperdício de alimentos, a atual Lei Municipal que regulamenta doações ainda deixa a desejar em relação à sua efetividade. O debate ganhou ainda mais importância diante das estimativas divulgadas em julho deste ano pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), que apontam que 21,1 milhões de brasileiros estão enfrentando insegurança alimentar severa, passando dias sem acesso adequado a alimentos básicos.

O dado figurou em nota publicada pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Rede Penssan), que trouxe à tona números alarmantes, revelando que, até o ano passado, o Sudeste do Brasil abrigava o maior contingente de pessoas em situação de fome, com 6,8 milhões delas no Estado de São Paulo. Não por acaso, no último ano, a Prefeitura da capital lançou iniciativas como o Programa de Combate ao Desperdício e à Perda de Alimentos, além da Lei nº 17.755/2022, que autoriza estabelecimentos de alimentos a doarem excedentes não comercializados.

Aline Martins de Carvalho – Foto: Arquivo Pessoal

Após um ano e meio da promulgação da lei, porém, números persistentes de desperdício alimentar desafiam a cidade. A professora Aline Martins de Carvalho, da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, considera que a legislação foi um primeiro passo: “Essa regulamentação reforça uma lei federal de 2020, que falava sobre desperdício  de alimentos e sobre quem poderia doar alimentos. Ela foi muito importante no contexto brasileiro, permitindo que os restaurantes e estabelecimentos ficassem mais confortáveis em doar”. Para ela, ter uma lei própria no município de São Paulo, reforçando a federal, mostra que a cidade está, a princípio, preocupada com a situação.

Antes da regulamentação, o processo de doação de alimentos enfrentava obstáculos, com questões ligadas a exigências sanitárias. “As pessoas ficavam muito preocupadas se podiam doar aquele alimento”, explica a professora, ao relatar que comerciantes se preocupavam com a distribuição do alimento que, se não fosse armazenado adequadamente após a doação, poderia comprometer a saúde de quem o consumisse. Nesses casos, “o estabelecimento que doou poderia ser responsabilizado legalmente e teria que pagar por esse tipo de problema”, conta ela.

Desafios da Lei Alimentar

Além de proteger quem doa e quem recebe o alimento, de acordo com a especialista, que também é coordenadora do Sustentarea, um grupo de extensão que tem como objetivo discutir os sistemas alimentares brasileiros e a alimentação sustentável no Brasil, a lei de 2022 surgiu de um propósito duplo: “Primeiro, ela permite doar alimentos que potencialmente poderiam ir para o lixo, alimentando pessoas em situação de vulnerabilidade social ou insegurança alimentar. Sabemos que cerca de 50% da população brasileira enfrenta algum grau de insegurança alimentar, com 33 milhões de pessoas passando fome. Ao dar esses alimentos adequados a essas pessoas vulneráveis, já temos um benefício significativo. O segundo benefício é ambiental, evitando que os alimentos acabem em aterros sanitários, gerando gases de efeito estufa.”

Luciana Quintão – Foto: Arquivo Pessoal

Luciana Quintão, fundadora da ONG Banco de Alimentos, que atua como parceira da Prefeitura, reforça a importância da normatização, mas aponta suas limitações: “Ela não atrapalha, mas está longe de ajudar, porque é uma lei solta”, sumariza. Segundo ela, a interpretação do texto é ambígua, quase dando a entender que indivíduos podem acessar esses locais e obter uma grande quantidade de alimentos, desde que não visem à venda. Nesse contexto, o texto carece de detalhes sobre a melhor abordagem para doar esses alimentos e não aborda “a questão da indústria”. Ele menciona apenas o comércio, “que é onde instituições como nós podemos pegar grandes quantidades e, por sua vez, alimentar pessoas”.

Ambas argumentam que, no futuro imediato, parcerias entre o setor público, organizações privadas e a sociedade civil são essenciais para reverter a insegurança alimentar e o desperdício na cidade. Por fim, a professora Aline destaca: “Acho que a lei contribui muito, mas [ela] não é suficiente. Ainda temos que trabalhar mais e avaliar como funciona essa política, de fato, em São Paulo”.

Enquanto a luta contra o desperdício de alimentos continua na capital paulista, especialistas e ativistas permanecem exigindo políticas mais robustas e coordenação entre diversos setores para enfrentar o desafio crescente da fome e garantir uma alimentação saudável e sustentável para todos.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.