Micrografia eletrônica de varredura de HIV, em cor verde, saindo de um linfócito cultivado – Foto: Wikimedia Commons

Quarto caso de cura do HIV reacende expectativas pela vacina contra o vírus

“É importante que tenham casos como esse para termos certeza de que a cura é possível”, afirma Ricardo Vasconcelos

 08/08/2022 - Publicado há 2 meses  Atualizado: 10/08/2022 as 16:48

Texto: Redação

Arte: Simone Gomes

Durante a Conferência Internacional de Aids, que ocorreu em 27 de julho, realizada em Washington, EUA, foi anunciado que um homem não identificado era o quarto caso de paciente curado do HIV. Com diagnóstico do Vírus da Imunodeficiência Adquirida desde 1988, ele tornou-se o caso de cura com mais tempo vivendo com a doença. Para isso, o paciente recebeu um transplante de medula óssea para o tratamento de uma leucemia no sangue e, por coincidência, o doador era imune ao HIV. Ele está há 17 meses em remissão, o que significa que o vírus não está sendo detectado em seu corpo.

Embora o paciente esteja curado, o tratamento por transplante de medula óssea (TMO), utilizado contra a leucemia, não é indicado para a cura dos milhões de infectados com o vírus. “É até importante que as pessoas saibam que o TMO é um procedimento bastante complexo e cheio de riscos. Imagina você acabar com toda a imunidade que a pessoa tem” explica o médico infectologista do Ambulatório Especializado em HIV do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, pesquisador e coordenador do estudo Mosaico sobre vacina contra HIV. Ele afirma que “é importante que tenham casos como esse para ter certeza de que a cura é possível”, mesmo sem vacina desenvolvida.

Ricardo Vasconcelos - Foto: FM
Ricardo Vasconcelos - Foto: FM

O HIV afeta, sobretudo, homens que mantêm relações sexuais com homens. A recente epidemia da varíola dos macacos também chama a atenção para a contaminação neste grupo e abriu espaço para uma nova onda de preconceitos. “É impossível não se relacionar (a varíola dos macacos) com a década de 1980 e o começo da pandemia de HIV. É um paralelo que todo mundo faz, mas eu acho importante tomarmos cuidado para não estigmatizar essas pessoas”, sugere Vasconcelos. Para ele, a atribuição do risco exclusivo a esses homens causa a impressão popular de não haver necessidade de preocupação com o HIV.

Estudo Mosaico

Por meio da pesquisa de eficácia da vacina experimental para prevenir o HIV, o Estudo Mosaico tem procurado por soluções em larga escala na cura do vírus. O infectologista, que coordena o estudo, notifica que o Mosaico não é o único projeto com esse propósito: “Ainda que o Mosaico não consiga encontrar bons resultados, já existe uma expectativa muito grande em cima dessa vacina de RNA mensageiro que está a caminho”.

A vacina em desenvolvimento pelo Mosaico segue a tecnologia das vacinas da Janssen e AstraZeneca contra a covid-19. O material genético do adenovírus, um vírus modificado em laboratório para ser inofensivo aos humanos, é enxertado com genes do HIV com o intuito de receber uma resposta imune decorrente da vacinação. “A pessoa vacinada com adenovírus produziria uma resposta anti-HIV sem nunca ter encontrado com HIV na vida”, esclarece Vasconcelos.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.