Plásticos descartados no oceano se transformam e geram impactos climáticos

Em vez de boiarem na superfície do mar, polímeros afundam e alteram o ciclo de carbono e o efeito estufa, segundo Alexander Turra

 27/04/2022 - Publicado há 9 meses
Por
Boa parte do polímero está afundando e gerando impactos climáticos, como o agravamento do aquecimento global – Foto: Snemann on Visual Hunt/CC BY-NC-ND

O uso e o descarte indiscriminado de plástico estão em debate há anos e as consequências da má utilização desse material para o planeta preocupa agentes internacionais. Ao contrário do que se pensava sobre o plástico se concentrar na superfície do oceano em forma de lixo, cientistas descobriram que boa parte do polímero está afundando e gerando impactos climáticos, como o agravamento do aquecimento global.  

Alexander Turra – Foto: IO/USP

O professor do Instituto Oceanográfico (IO) da USP e coordenador da Cátedra Unesco para a Sustentabilidade do Oceano, Alexander Turra, revela que microplásticos estão se aglutinando na “neve marinha” condição normal do oceano gerada por partículas de microalgas, bactérias e fitoplânctons que afundam devagar no mar e se tornando mais densas que a água, com a ajuda de microrganismos.  

“Essas partículas [da neve marinha] correspondem à matéria orgânica. Então muitos organismos acabam se alimentando diretamente das partículas ou, como as bactérias, transformam e remineralizam essa matéria orgânica em nutrientes que podem ser utilizados pelas algas para fazer a fotossíntese”, informa Turra.

Uma cadeia de efeitos

Segundo o professor, quando os microplásticos afundam com a “neve marinha”, a coluna d’água fica empobrecida de materiais orgânicos e a fotossíntese é comprometida. Consequentemente, há uma redução na captura de CO2, gás relacionado ao efeito estufa.

“Se você para de consumir gás carbônico, o oceano acaba perdendo um pouco do seu papel em controlar o efeito estufa e com isso a gente tem um aumento da temperatura do planeta”, informa Turra sobre os resultados desse processo.   

Com o aumento da temperatura do planeta, incêndios, períodos de seca, perda de espécies terrestres e marinhas, tempestades severas e aumento da fome são alguns dos impactos que podem ocorrer. “A gente precisa racionalizar o uso desse material para que a gente possa então utilizar o que ele traz de melhor sem necessariamente gerar malefícios para o ambiente”, afirma o professor.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.