O apêndice vermiforme age como órgão de defesa

A presença de tecido linfático é grande em todas as porções do intestino, entretanto, no apêndice vermiforme este tecido é predominante

Nesta edição do Anatomia Responde, o professor Luis Fernando Tirapelli faz a descrição do apêndice vermiforme que corresponde a uma porção atrofiada do ceco, e apresenta um comprimento médio de 10 cm e diâmetro externo de 6mm.

Tirapelli fala que o apêndice vermiforme não tem função digestiva, porém, tem uma nova função de órgão de defesa. É análogo às tonsilas, que é o tecido linfático existente na parte interna da faringe, e já foi chamado de “tonsila intestinal”.

De acordo com o professor, a presença de tecido linfático é grande em todas as porções do intestino, entretanto, no apêndice vermiforme este tecido é predominante.

O apêndice vermiforme estreito apresenta frequentemente dificuldades no trânsito de substâncias que podem levar às inflamações e como um órgão de defesa, pode ser vencido por bactérias. Em caso de apendicite aguda há risco de perfuração da parede, disseminando os patógenos para a cavidade peritoneal.

“A dor começa na região umbilical, aumenta em intensidade e desloca-se aos poucos para o abdome inferior direito, a chamada fase ilíaca direita. A dor aumenta durante a palpação e pressão sobre a parede abdominal” conclui.

O boletim Anatomia Responde é produzido pelo professor Luis Fernando Tirapelli, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, e pode ser conferido na íntegra no áudio acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.