Mortes por tuberculose no Brasil atingem número recorde em quase duas décadas

Olavo Henrique Leite, médico do Hospital das Clínicas, traz um panorama da doença que mata 14 pessoas por dia no País e alerta sobre a importância da prevenção

 12/04/2023 - Publicado há 11 meses
A tuberculose pulmonar totaliza 70% dos casos da doença e apresenta sintomas como tosse, febre e emagrecimento – Foto: Freepik

 

A tuberculose mata 14 pessoas por dia no Brasil, segundo dado recente divulgado pelo Ministério da Saúde. Em 2021, foram mais de 5 mil mortes e, em 2022, o País registrou 78 mil novos casos, cenário que motivou a criação da recente Campanha Nacional de Combate à Tuberculose.

Panorama geral

Olavo Henrique Leite – Foto: Arquivo Pessoal

Segundo Olavo Henrique Leite, médico da Clínica de Moléstias Infecciosas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, a tuberculose não deve ser classificada como uma doença emergente ou reemergente. Na realidade, é uma doença que reincide na população periodicamente. 

São dois tipos de manifestação da doença: “Quando eu tenho aquela tuberculose clássica do pulmão, o diagnóstico é relativamente tranquilo, o problema são os pacientes que têm apresentação da doença fora do pulmão, a chamada extrapulmonar, com destaque importante para a cabeça, no sistema nervoso central, e para os ossos e articulações”, diz o médico. A última pode justificar parte da taxa de mortalidade registrada. 

Ele ainda explica que a pandemia de covid-19 foi um fator que aumentou os casos de tuberculose: “O que a gente tem observado, provavelmente pelo impacto da pandemia e, de uma certa forma, pela desestruturação de muitos serviços de saúde, foi um certo aumento [de casos da tuberculose]”. 

Leite aponta ainda que países em desenvolvimento, especialmente os do sul global, são os mais afetados. O Brasil, no entanto, é classificado como relativamente estável pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e a doença é curável em 98% dos casos, o que não anula a necessidade de cuidado e atenção quanto aos sintomas. 

Sintomas e prevenção

A tuberculose pulmonar, que totaliza 70% dos casos da doença, apresenta sintomas como tosse, febre e emagrecimento. Tais sinais, em especial a tosse com mais de duas semanas de duração, não podem ser ignorados e devem ser investigados o mais rápido possível. Nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) é disponibilizado um teste rápido e gratuito para tuberculose, com sensibilidade de até 97%. 

A vacina BCG é dada ainda nos primeiros meses de vida da criança – Foto: Amanda Mills/ Pixino

 

A única vacina disponível para tuberculose é a BCG, aplicada no primeiro mês de vida. Não existe vacinação para adultos de 30 a 50 anos, que representam a população mais atingida pela doença. No entanto, um diagnóstico ágil e a adesão ao tratamento são soluções para o problema: “Nós precisamos fazer o diagnóstico o mais rápido possível e iniciar o tratamento, porque, se você fizer isso, você corta a transmissão da doença. Quem transmite a tuberculose é alguém com tuberculose no pulmão e é esse indivíduo que nós temos que detectar”. 

Vale ressaltar que o tratamento da doença é extenso e dura no mínimo seis meses e que, após o diagnóstico, é importante monitorar a situação do paciente de perto até que se observe uma cura. O médico acrescenta que grupos sociais mais vulneráveis, como usuários de drogas e encarcerados, simbolizam boa parte dos que não concluem o tratamento.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.