Entenda mais sobre a síndrome de abstinência por antidepressivos

Insônia, tremores e distúrbios de humor podem ser causados pela falta desses remédios

 29/07/2019 - Publicado há 2 anos
Por

O primeiro boletim Pílula Farmacêutica desta semana fala sobre os problemas causados pela síndrome de abstinência por antidepressivos.

Um deles é a abstinência causada, na maioria dos casos, pela interrupção abrupta de um tratamento de longo período. A falta dos medicamentos pode causar diversos sintomas indesejáveis, o que faz com que muitos pacientes não consigam parar de tomar o remédio.

A abstinência pode surgir entre 24 e 72 horas após a interrupção do tratamento, apresentando efeitos como ansiedade, insônia, irritabilidade, explosões de choro, distúrbios de humor e sonhos vívidos, além de sintomas neurológicos e motores como tonturas, vertigens, cefaleia, falta de coordenação motora, alterações de sensibilidade da pele e tremores.

O tratamento da síndrome de abstinência se resume em voltar a tomar o medicamento suspenso. Com o reinício do tratamento, os sintomas começam a melhorar já nas primeiras 24 horas. Para evitar que o quadro se repita, é necessário que as doses diárias sejam diminuídas gradativamente no decorrer de quatro a seis semanas, até que a interrupção completa possa ser realizada com segurança.

O boletim Pílula Farmacêutica é apresentado pelos alunos de graduação da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, com supervisão da professora Regina Célia Garcia de Andrade. Trabalhos técnicos de Luiz Antonio Fontana.

Ouça acima, na íntegra, o boletim Pílula Farmacêutica.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.