Dengue, chikungunya e zika não devem ser esquecidas durante pandemia

A infectologista Amanda Lara orienta para que a população mantenha as mesmas condutas de todos os anos para prevenir essas moléstias, mesmo neste momento de crise sanitária

 11/05/2021 - Publicado há 7 meses  Atualizado: 13/05/2021 as 8:30
Por
Além da dengue, o mosquito Aedes aegypti é o responsável pela transmissão de várias outras doenças – Foto: Muhammad Mahdi Karim via Wikipedia Commons/GFDL 1.2  – Foto: Muhammad Mahdi Karim via Wikipedia Commons/GFDL 1.2

Dengue, chikungunya e zika são doenças típicas do final do verão e outono em função do excesso de chuva, com isso se repetem todos os anos, de forma alarmante, justamente pela falta de cuidados da população. É importante reforçar a orientação de que não se deve deixar recipientes com acúmulo de água.

A infectologista Amanda Lara é responsável pelo Ambulatório dos Viajantes do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), e orienta para que a população mantenha as mesmas condutas de todos os anos para prevenir a doença.

Os casos de chikungunya também aumentaram muito nos últimos anos, mas a dengue ainda prevalece na maioria das cidades do Brasil. O grande responsável pelos números dessas doenças é o Aedes aegypti, também chamado popularmente de mosquito da dengue, responsável pela transmissão de várias doenças para o homem – estão na lista febre amarela e zika.

A infectologista diz que é importante diferenciar os sintomas dessas doenças, principalmente em tempos de pandemia de coronavírus. “Os sintomas podem se confundir com os de outras doenças. Tanto a dengue como a chikungunya são doenças febris, com dores no corpo e cefaleia”, alerta. Entretanto, enquanto a dengue é identificada pelas dores nos corpo, na chikungunya o destaque são as dores e inchaço nas articulações. Já a zika se destaca por uma febre mais baixa (ou ausência de febre), muitas manchas na pele e coceira no corpo.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 

 

 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.