USP estuda vetores que causam doenças tropicais

O estudo é fruto do projeto Cadde e envolve o Instituto de Medicina Tropical (IMT) da USP e a Universidade de Oxford

Aedes aegypti é o mosquito transmissor da dengue e da febre amarela urbana – Foto: Wikipedia Commons

O projeto Cadde ( Centro Conjunto Brasil-Reino Unido para Descoberta, Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus), fruto de parceria da USP com a Universidade de Oxford, tem o objetivo  de desenvolver metodologias para antecipar e combater epidemias de arbovírus, particularmente em regiões grandes e muito povoadas. Os arbovírus são vírus transmitidos por artrópodes como os insetos. Os estudos são extremamente importantes, pois buscam pesquisar em detalhes os vetores que causam doenças como dengue, febre amarela, zika vírus e chikungunya – no caso, os mosquitos. 

“São várias famílias diferentes dos vírus. Febre amarela, dengue, chikungunya e vírus da zika: existem mais de 200 arbovírus descritos e em torno de 40 que causam doenças em humanos”, revela Ester Sabino, diretora do Instituto de Medicina Tropical (IMT) e coordenadora do Cadde em entrevista ao Jornal da USP no Ar.

“Nós estamos focados principalmente em febre amarela, dengue, chikungunya e zika. Por exemplo, nós vivemos nos últimos dois anos grandes epidemias de febre amarela e é importante entendermos como que o vírus está evoluindo, se está saindo da área urbana, se ele vai permanecer nas florestas da região Sudeste ou se vamos ficar um bom tempo sem ver o vírus até que ele venha novamente da região amazônica”, explica.

Utilizando uma tecnologia em desenvolvimento chamada de metagenoma, a amostra é totalmente sequenciada e se busca novos agentes. Foi exatamente essa a tecnologia utilizada na descoberta do arenavírus nesta semana, o primeiro caso em 20 anos. Inicialmente, a suspeita era de febre amarela. “O paciente [que veio a óbito] chegou no Hospital das Clínicas com quadro muito parecido com febre amarela, mas os exames diziam que ele não estava com a doença. Essa amostra entrou para um grupo que estuda hepatite e foram os primeiros a detectar o vírus no Albert Einstein e, três dias depois, a gente já tinha os dados de seu sequenciamento.” 

Recentemente, surgiu a preocupação de uma epidemia do coronavírus na Ásia, mais especificamente na China, onde já chegou a 17 o número de mortos pela doença. Na terça-feira (21), veio a confirmação do primeiro caso nos EUA, após desembarque de um passageiro chinês que segue mantido em isolamento em um hospital de Seattle. A pesquisadora explica que o projeto Cadde possui tecnologia para ser usada em qualquer outro agente, inclusive o coronavírus, apesar de não ser o foco do estudo.

Ouça a entrevista completa no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.