Contraofensiva violenta de Israel se apoia no direito de autodefesa contra o ataque do Hamas

Kai Enno Lehmann destaca grave falha na inteligência de segurança que se relaciona diretamente com o governo de Benjamin Netanyahu

 10/10/2023 - Publicado há 7 meses     Atualizado: 16/05/2024 as 11:37
Bombardeio de Israel na Faixa de Gaza, 09 de outubro de 2023- Foto: © Sputnik / Aiwad Jradat
Logo da Rádio USP

Desde o último sábado (7), o conflito entre Israel e o grupo islâmico radical Hamas está em curso e já contabiliza 900 mortes israelenses e 690 palestinas. Em contraofensiva violenta ao ataque do grupo extremista, as Forças Armadas israelenses atacaram cerca de 800 alvos na Faixa de Gaza. Diante dos contra-ataques, Hamas, por sua vez, ameaça matar reféns a cada bombardeio aéreo sem aviso prévio. 

Kai Enno Lehmann – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

“A resposta de Israel não é uma surpresa”, afirma Kai Enno Lehmann, professor do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da USP, e ainda aponta três principais motivos para tal constatação: o histórico do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu; a coalizão de governo por ele liderada; e a pressão política doméstica após o maior ataque sofrido pelo país devido a uma falha de inteligência na segurança. 

Assim, a resposta israelense vem no sentido de mostrar resultados rápidos, claros e decisivos para demonstrar competência. “Netanyahu vai continuar com essas ações por algum tempo. Se isso vai levar aos resultados desejados, eu não sei, mas ele tem poucas opções neste momento”, analisa Lehmann. 

Próximas etapas

O governo de Israel declarou já ter retomado o controle das fronteiras da Faixa de Gaza após o ataque surpresa que desestabilizou o país. Com alvos determinados para os bombardeios, o professor leva a crer que uma incursão por terra se mostra como uma possibilidade para o futuro da guerra, não favorecendo em nada o resgate dos reféns israelenses. “No momento, parece-me que os reféns não são uma prioridade política para Netanyahu e as perspectivas são horríveis. Eu acredito que as chances dessas pessoas saírem vivas da situação em que se encontram são pequenas”, aponta Lehmann.

Em caso de uma invasão por terra, o conflito vai causar ainda mais vítimas, segundo o especialista, uma vez que a região da Faixa de Gaza possui uma população muito densa. No entanto, Lehmann destaca que, no momento, o líder israelense não deve considerar uma guerra até suas últimas consequências como um contraponto, na medida em que a gravidade do conflito deixa profundas marcas psicológicas no país e em seu governo.

Comunidade internacional 

+ Mais

Solução do conflito entre Israel e Palestina requer um olhar para as raízes do problema

A influência e participação da chamada comunidade internacional no atual cenário de Israel e Hamas são consideradas mínimas, conforme o professor. Na prática, o que se observa trata-se apenas do posicionamento dos tradicionais aliados de Israel – Estados Unidos e Europa – em apoio ao direito de defesa do Estado após o ataque. 

“A questão é quando a autodefesa se torna algo diferente, as fronteiras entre autodefesa e algo diferente são fluidas, não tão claramente definidas”, pontua Lehmann. Com uma possível intensificação do “direito de autodefesa” de Israel, o especialista considera, principalmente de vozes da Europa, eventuais pedidos de moderação e cuidado com civis na região da Faixa de Gaza. 

Mesmo sendo difícil afirmar com absoluta certeza o envolvimento de outros países na parte de logística, preparação e execução da invasão do grupo Hamas, Kai Enno Lehmann e outros analistas têm apontado o apoio financeiro iraniano. “Foi um ataque tão sofisticado em termos logísticos que me parece improvável que tenha sido uma coisa somente do Hamas”, considera. 

Contexto doméstico 

Politicamente, o governo de Benjamin Netanyahu já sofreu uma grande derrota por ser o líder no poder durante o pior ataque ao país nos últimos anos. Dessa forma, na opinião do professor, há uma necessidade de uma forte reação por parte do primeiro-ministro a fim de sustentar sua posição. 

A partir da clara falha de inteligência de segurança, o especialista prevê uma dura reação da oposição israelense acerca do esforço político de Netanyahu com a reforma do sistema de justiça, que desencadeou inúmeros protestos. “A oposição certamente vai acusar o líder de não prestar atenção no que estava acontecendo na Faixa de Gaza, porque estava muito preocupado com a reforma do sistema judiciário de Israel.” 

Leia mais: https://jornal.usp.br/radio-usp/solucao-do-conflito-entre-israel-e-palestina-requer-um-olhar-para-as-raizes-do-problema/


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.