Consumo excessivo de informações na internet pode impedir a captação de conteúdos de qualidade

João Flávio de Almeida diz que o grande conteúdo de informações rasas e infantilizadas pode produzir uma situação de estafa mental, levando a uma não captação dos conteúdos realmente interessantes e relevantes

 08/03/2021 - Publicado há 9 meses  Atualizado: 15/07/2021 as 11:20
Por
“Obesidade mental” não é o diagnóstico oficial de uma doença, mas um termo para explicar a produção e consumo de informações do mundo digital contemporâneo

O consumo excessivo de informações e, ainda, de baixa qualidade, disponíveis na internet, nas redes sociais e na televisão – com ampla gama de programas para todos os tipos de públicos – pode ter efeitos mentais, e até físicos, negativos. Foi o que aconteceu com a estudante de engenharia agronômica Stefania Fernandes, de 22 anos. A estudante diz ter sido tomada pelo “cansaço mental e emocional, procrastinação e, como consequência direta, perda de qualidade de vida”. Mas o entendimento da situação veio da própria internet, quando Stefania se deparou com o termo “obesidade mental”, usado por Andrew Oitke na obra Mental Obesity.

Após ter se identificado como obesa intelectual, Stefania repensou seu consumo de informações e decidiu dar o primeiro passo, usando as redes sociais normais, mas selecionando os conteúdos. Mas, mesmo se afastando de informações de pouca qualidade, a jovem conta que ainda se sentia dominada pelo consumo de informações. Foi então que deixou de acessar as redes sociais por um período de tempo.

No momento, Stefania diz estar retomando o uso das mídias, porém, de maneira mais seletiva e equilibrada no acompanhamento dos conteúdos “que acrescentam e controlando o tempo que eu fico on-line”. Com relação aos vídeos e podcasts, é rigorosa: “Só algo que eu realmente vá ouvir, refletir e aplicar”. 

O que é a “obesidade mental”?

Segundo o filósofo e pós-doutor em discurso imagético pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, João Flávio de Almeida, “obesidade mental”, não é o diagnóstico oficial de uma doença, mas um termo para explicar a produção e consumo de informações do mundo digital contemporâneo. E, informa, esse consumo exagerado acontece com informações repetidas e, geralmente, de entretenimento.  Mas Almeida é crítico ao uso do termo, por considerá-lo reducionista e com conotação gordofóbica. 

“O entretenimento é, no campo da informação, o docinho, as guloseimas. São muitos doces, fáceis ao paladar”, explica Almeida. “A gente vai lá abrir uma série muito boa na Netflix; enquanto não acabar aquela caixa de guloseimas, enquanto não for do primeiro ao último episódio, eu não paro de comer aquele entretenimento.” Para o especialista, o grande consumo de informações de baixa qualidade impede o indivíduo de pensar em conteúdos diferentes.

Causas e consequências da “obesidade mental”

Almeida aponta algumas causas para esse comportamento; entre elas, as informações rasas e infantilizadas que, aliadas às redes sociais e seus mecanismos de interações – curtidas, comentários e compartilhamentos – proporcionam um maior volume desses conteúdos. Assim, acrescenta o filósofo, é que a passividade é fomentada e desencadeia a obesidade mental. “A gente perde a capacidade de detectar quando uma boa informação passa por nós” e, diante de um bom filme, por exemplo, “não conseguimos apreciar porque nós ficamos acostumados com essas guloseimas, nós ficamos acostumados com o alimento excessivamente doce”.

Para o especialista, a obesidade intelectual também afeta a saúde física, já que o grande período em frente às telas de computadores e celulares diminui o tempo diante do mundo real, material e, por consequência, a prática de atividades físicas e o contato com a natureza.

Esse é o caso da estudante de enfermagem Marcela Rúbio Teixeira, de 22 anos, que diz apresentar os sintomas físicos da obesidade mental. Marcela acredita que as dores de cabeça, o cansaço, a ansiedade e a irritação que sente, além do fato de procrastinar e não conseguir finalizar tarefas, sejam resultado dessa tal de obesidade mental. Para a jovem, a grande quantidade de informações que consome na internet, muitas vezes de entretenimento, somada aos conteúdos de seus cursos da faculdade, impede que ela consiga selecionar o que é realmente informação importante.

“Acaba me fazendo mal”, afirma a estudante, dizendo que não consegue encarar a vida de forma otimista. Relata ter “muita sede” por conhecimentos, mas, ao mesmo tempo, não dá continuidade às buscas e se perde. Conta ter percebido essa condição em sua vida há cerca de cinco anos, o que ajudou a estudante a procurar formas de mudar o consumo de informações.

“Eu tenho filtrado mais o tipo de conteúdo que vou consumir, principalmente conteúdo externo, relacionado à política, saúde, a entretenimento também. E ficar menos tempo no celular”, afirma. Além disso, a estudante tenta colocar em prática conhecimentos já adquiridos. Diminuição da ansiedade é um dos benefícios que Marcela vem percebendo em sua vida.

Como prevenir a “obesidade mental”

Almeida acredita que o número de obesos mentais tende a aumentar ao longo do tempo, chegando a nível global. O filósofo teme ainda que ocorra o que ele chama de “morte do pensamento”, com fechamento de livrarias e editoras, menor produção de obras artísticas que estimulam pensamento crítico, diminuição de disciplinas de filosofia, sociologia e artes nas escolas e o aumento de preocupações de cunho financeiro.

Mas, segundo ele, o remédio e a prevenção da obesidade intelectual estão na seletividade do consumo de informações, com o afastamento de conteúdos de baixa qualidade e o equilíbrio no consumo dos bons materiais, uma vez que o exagero não é benéfico, mesmo sendo de boa origem.

Para o especialista, é preciso manter a atividade mental e, assim, “escrever, escrever poesias” pode ajudar muito. Para os viciados em tecnologia, Almeida deixa a dica de “voltar a desenhar, a fazer atividades físicas”, sempre lembrando que “colocar a criatividade em prática, criando e produzindo novos materiais, é uma estratégia importante contra a obesidade mental”.  


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.