Compostagem humana surge como alternativa ao sepultamento e à cremação

Novidade entra em funcionamento no próximo ano, nos Estados Unidos, mas dificilmente será adotada por aqui, diz o médico Ivan Miziara (FMUSP)

Quando enfrentamos o falecimento de um parente ou de uma pessoa próxima, só temos como opção enterrar ou cremar o corpo. Mas, nos Estados Unidos, moradores de Washington terão, a partir de 2021, a opção de escolher a compostagem humana. O método consiste na conversão dos restos humanos em terra/adubo através de uma aceleração natural. O corpo é colocado em um contêiner com as condições ideais de umidade e oxigenação, para que as bactérias façam seu trabalho mais rápido, em um prazo de até 30 dias. Esse sistema tem menos impacto ambiental se comparado à cremação, que emite gases que têm ação no efeito estufa. Já ao enterrar um corpo pode haver contaminação do solo, se houver um lençol freático próximo.

Ivan Miziara, médico associado de Medicina Legal da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), acha difícil que essa novidade chegue ao Brasil. Entre os fatores que contribuem para essa afirmação estão hábitos culturais e religiosos. “Hoje em dia, o brasileiro ainda prefere, em sua grande maioria, enterrar seus mortos.”

Acompanhe, pelo link acima, a íntegra da matéria.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.