Brasil se prepara para avançar em cibersegurança

A professora Cynthia Rosa diz que o Brasil deu um grande avanço na questão da segurança, com a aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados, nº 13.709/2018
  

 

Foto: DataCorp Technology LTD via Flickr – CC

Este ano, dois eventos vão colocar o Brasil na rota da contemporaneidade em relação à rede mundial de computadores. O primeiro é a entrada em vigor, no mês de agosto, da nova Lei Geral de Proteção de Dados. O segundo evento é o edital que o governo federal deve lançar, no segundo semestre, para implantação da tecnologia 5G no País. 

Considerada a maior licitação do setor no mundo, a tecnologia 5G vai ser fundamental para o desenvolvimento de smartTVs, smart cities, internet das coisas, por exemplo. Na mesma medida em que há o avanço da tecnologia e da inovação, há também a preocupação com a segurança de dados e informações que circulam na internet, a cibersegurança.

Uma preocupação que muito pouca gente sabe, mas que  começou logo após a Segunda Guerra Mundial, como explica a professora Cynthia Rosa, da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP, especialista no assunto. Ela diz que os aliados criaram uma rede de informações contra comunistas e nazistas que disseminou a cultura do uso de dados pessoais que, depois, teve eco na internet.

Para a professora, o Brasil deu um grande avanço na questão da segurança, principalmente na internet, com a aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados, nº 13.709/2018, que inclusive altera artigos do Marco Civil da Internet. A nova legislação, segundo a professora, coloca o Brasil em condições similares aos países europeus, asiáticos e norte-americanos.

A preocupação dos Estados Unidos com a possibilidade da empresa chinesa Huawei vencer a licitação para implantar e operar a tecnologia 5G no Brasil tem fundamento, segundo a especialista. Ela diz que a empresa já praticou irregularidades com relação à proteção de dados, tendo sido fortemente criticada por Canadá, Nova Zelândia, União Europeia, entre outros. 

Ouça a entrevista completa no link acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.