Hemocromatose: como identificar a doença e buscar ajuda

Vanderson Rocha diz que “a hemocromatose genética infelizmente não tem cura, mas é possível tratá-la reduzindo o estoque de ferro no corpo”

 02/08/2021 - Publicado há 2 meses
Por
“A hemocromatose genética infelizmente não tem cura, mas é possível trata-la reduzindo o estoque de ferro no corpo”, diz Vanderson Rocha – Foto: Reprodução via AUN

 

Para ter uma vida saudável é importante fazer uma alimentação adequada, rica em nutrientes, mas e se o corpo tiver excesso de alguns deles? Você sabia que os níveis elevados de ferro no sangue normalmente estão ligados a uma doença genética chamada hemocromatose? Porém também podem estar ligados ao excesso de transfusões sanguíneas ou até de uso de suplementos vitamínicos.

A hemocromatose, como é chamada a doença do excesso desse mineral no sangue, muitas vezes não está relacionada aos alimentos, mas surge de um fator hereditário, como explica Vanderson Rocha, professor de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP).

“A hemocromatose genética infelizmente não tem cura, mas é possível trata-la reduzindo o estoque de ferro no corpo”, pondera o especialista. Estudos internacionais mostram que cerca de 1% da população é acometida pela doença. Uma pesquisa brasileira de 2001 mostrou que entre doadores de sangue a presença de mutações relacionadas ao excesso de ferro era de 7% a 20%.

Mas como identificar essa doença? Normalmente os sintomas surgem quando a doença já está bem avançada. Entre os sintomas estão o cansaço, perda de peso sem causa aparente, fraqueza, letargia, apatia, queda de cabelo e até alteração no ciclo menstrual.

A pele de quem tem acúmulo de ferro tem uma pigmentação mais escura, como se a pessoa tivesse tomado sol. Os casos mais graves da doença podem comprometer órgãos do corpo como fígado, pâncreas e coração. Para descobrir o médico solicita alguns exames, sendo o de sangue o principal deles.

jor


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

[/sc


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.