Aleitamento materno é bom para a saúde da mulher e previne a mortalidade infantil

Fabíola Roberta Marim Bianchini explica que mães vacinadas contra a covid-19 protegem seus filhos contra a doença, porque recente pesquisa mostrou a presença de anticorpos no leite materno

 24/08/2021 - Publicado há 3 meses
Por

 

O aleitamento materno reduz em 13% a mortalidade até os 5 anos – Ken Hammond – USDA/Domínio público via Wikimedia Commons

O alimento mais completo para o recém-nascido é o leite materno, por isso a amamentação deve ser feita na primeira hora de vida do bebê. O ato é o mais importante para a mãe porque auxilia nas contrações uterinas, diminuindo o risco de hemorragia, e, para o bebê, previne a mortalidade infantil, além de várias doenças, segundo a pediatra neonatal, Fabíola Roberta Marim Bianchini, médica assistente do Centro de Terapia Intensiva Neonatal do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP). O aleitamento materno reduz em 13% a mortalidade até os 5 anos.

A produção de leite é diferente de mãe para mãe. Mas nem todas as mães conseguem produzir leite. É muito importante que a mulher tenha um ambiente tranquilo, alimentação saudável e muita ingestão de líquidos. Porém, se nada disso ajudar, existe o banco de leite. Fabíola Bianchini alerta que “a mulher que não tiver produção de leite suficiente para atender à demanda alimentar de seu bebê deve procurar um banco de leite e a orientação do pediatra”, conclui.

O direito de amamentar é individual e legítimo, por isso a pediatra alerta que todos podem ajudar uma mulher nesse momento, desde uma palavra amiga até o ato de liberar um acento público. “Esperamos que todos sejam capazes de olhar uma mulher que esteja amamentando e entender a necessidade de garantir segurança a ela para que possa manter essa ação”, orienta a médica.

Em tempos de pandemia da covid-19, um estudo recente feito pelo Instituto da Criança e do Adolescente (ICr) da USP mostrou a presença de anticorpos anticoronavirus no leite das mulheres que estavam amamentando e receberam a CoronaVac.

As dúvidas mais frequentes sobre aleitamento materno podem ser esclarecidas no site do Instituto da Criança e do Adolescentes (ICr) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, no link abaixo:


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.