Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH): um instrumento catalisador de mudanças

Por Ricardo Ricci Uvinha e Fabiana Sant´Anna Evangelista, diretor e vice-diretora da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP

 Publicado: 01/04/2024

Ricardo Ricci Uvinha – Foto: Reprodução/EACH-USP
Fabiana Sant´Anna Evangelista – Foto: Reprodução/EACH-USP
A concretização da USP na Zona Leste da cidade, por meio da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), representa a realização tangível de um anseio acalentado pela população local, um sonho que remonta às demandas desde o início da década de 1980 com o Movimento de Educação da Zona Leste de São Paulo. Essa luta incansável visava, primordialmente, a conquista da igualdade de oportunidades educacionais para uma comunidade que carecia de acesso ao ensino superior público. Um grande impacto que a USP trouxe para a comunidade foi assim a criação da EACH na Zona Leste de São Paulo.

Em funcionamento desde 2005 no campus Leste da USP, e assim também conhecida como USP Leste, a escola emerge, portanto, como uma resposta a essas pressões populares, transformando um ideal almejado em uma instituição de ensino superior concreta, enraizada na região e destinada a impactar positivamente as comunidades do seu entorno. A expansão das vagas no ensino superior público não apenas atende a uma demanda educacional latente, mas também se torna um vetor crucial para o desenvolvimento social, econômico e cultural das áreas menos favorecidas da sociedade.

A unidade conta atualmente com 251 professores, 174 funcionários e quase 5.000 alunos nos 11 cursos de graduação e 11 programas de pós-graduação, numa estrutura sem departamentos. Ao oferecer educação de qualidade, a EACH se consolida como um agente transformador, promovendo a inovação e elevando o patamar educacional na região. Além disso, ao atender diferentes grupos étnicos e socioeconômicos, a escola se destaca pela sua capacidade de construir um corpo discente diversificado e representativo da sociedade em geral.

O impacto da EACH em sua relação com a sociedade vai além das salas de aula, reverberando nos setores mais amplos da comunidade. A instituição se insere como um pilar fundamental no fortalecimento da equidade e na promoção da justiça social, proporcionando oportunidades de ascensão a jovens estudantes que, de outra forma, poderiam ter suas potencialidades limitadas pela falta de acesso à educação superior.

Assim, a EACH não é apenas uma instituição de ensino, mas sim um instrumento catalisador de mudanças, cumprindo o papel de agente de transformação e impulsionando o desenvolvimento plural, inovador e inclusivo da Zona Leste de São Paulo.

Desde o seu surgimento, a unidade tem cultivado uma forte interação com a região Leste e os bairros circunvizinhos. Os professores não apenas se dedicam ao ensino e pesquisa, mas também se envolvem em intervenções significativas, colaborando diretamente com estudantes das escolas próximas à Unidade. Um exemplo marcante desse comprometimento é o Censo do Keralux, realizado em parceria com o Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, destacando o papel ativo da Universidade na compreensão e resolução de questões locais.

O Fórum do Keralux, composto por docentes, servidores e representantes do poder público, é uma prova da união de forças para apoiar o desenvolvimento do bairro. Esse espaço de diálogo e colaboração abrange áreas vitais como educação, saúde e gestão de resíduos sólidos, demonstrando o comprometimento da EACH com o bem-estar e progresso da comunidade.

Outro destaque notável é o Cursinho Popular, fruto da parceria com o Anglo, que opera de maneira totalmente regularizada e se dedica a ampliar a participação dos estudantes da Zona Leste no ensino público. Essa iniciativa, administrada pelos alunos da EACH, não apenas quebra barreiras de acesso, mas também se torna um agente de inclusão educacional na região.

A EACH abraça também a diversidade etária com o programa USP 60+, envolvendo centenas de idosos a cada semestre em uma programação rica em cursos e atividades que permeiam pesquisa e extensão. Essa abordagem inclusiva reforça o compromisso da Universidade em atender a uma ampla gama de públicos, promovendo o aprendizado ao longo da vida.

Assim, ao longo dos seus 18 anos de existência, a EACH cumpre a missão de produzir conhecimento baseado na investigação científica de excelência com o propósito de responder aos desafios contemporâneos. A pujante atividade de pesquisa na unidade, derivada das diversas linhas de pesquisa que integram as ciências, as artes e as humanidades, tem contribuído para a consolidação da EACH no ensino superior e para a evolução da USP nos rankings das melhores universidades do mundo.

Neste momento em que comemoramos os 90 anos da USP, a EACH pode auxiliar a Universidade em seu intento de se consubstanciar como uma relevante instituição provedora de inovação e desenvolvimento para a sociedade brasileira. Consolidando-se como uma unidade que prioriza práticas no ensino, pesquisa e extensão, a instituição se destaca por sua perspectiva interdisciplinar, empenhada com a defesa da democracia e com a superação das desigualdades. Com o foco na excelência, a EACH projeta ser reconhecida como fonte de novas formas de disseminação e produção de conhecimento, por meio da integração entre diversas áreas, fortalecendo os laços entre a sociedade, a cultura e a ciência.

________________
(As opiniões expressas nos artigos publicados no Jornal da USP são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem opiniões do veículo nem posições institucionais da Universidade de São Paulo. Acesse aqui nossos parâmetros editoriais para artigos de opinião.)

 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.