Ciclo de seminários vai debater enfrentamento a eventos extremos como o do Rio Grande do Sul

Promovido pelo Instituto de Estudos Avançados da USP, primeiro evento acontece no dia 21 de maio com a participação de especialistas de várias áreas; público pode acompanhar transmissão on-line

 Publicado: 14/05/2024
Lula faz sobrevoo das áreas afetadas pelas chuvas em Canoas
Encontro tratará das causas das intensas chuvas no Rio Grande do Sul – Foto: Ricardo Stuckert/PR/Agência Brasil

.
Texto: Mauro Bellesa*

A catástrofe no Rio Grande do Sul levanta perguntas importantes que precisam ser respondidas para que as autoridades possam tomar providências planejadas e indicadas ou então voltar à prancheta e replanejar. Ou, ainda, fazer novos planos que ofereçam melhores chances de evitar ou reagir a eventos extremos que o Brasil venha a enfrentar.

Para colaborar com a busca de respostas para essa demanda urgente do País, o Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP inicia no dia 21 de maio, às 8h45, o ciclo de seminários Lições do Evento Climático Extremo no Rio Grande do Sul, com a participação de especialistas de várias áreas, entre as quais meteorologia, planejamento urbano, oceanografia, saúde pública, geologia e economia.

O primeiro encontro tratará das causas das intensas chuvas no Rio Grande do Sul, dos procedimentos a serem adotados no Estado e dos riscos de que fatos similares ocorram em outras partes do Brasil. Sem perder de vista os acontecimentos no Estado, os participantes também discutirão como o País pode se preparar para enfrentar situações de extremos climáticos em curto, médio e longo prazos e aspectos globais das mudanças climáticas.

Outros temas como proteção à vida, assistência e abrigo de atingidos, revitalização econômica e restauração de serviços públicos serão abordados nos próximos seminários.

O evento será aberto ao público (sem necessidade de inscrição) e terá transmissão ao vivo pela internet neste link. Serão cinco mesas, com os seguintes temas e participantes:

  • A Visão Meteorológica – com Edmilson Freitas (IAG-USP) e José Marengo (Cemaden);
  • Encostas e Impactos Econômicos – Bianca Vieira (FFLCH-USP) e Ariaster Chimeli (FEA-USP);
  • Cidades e Políticas Públicas  Pedro Roberto Jacobi (IEA e IEE-USP) e Arlindo Philippi Júnior (IEA e FSP-USP);
  • A Visão Global – Thelma Krug (IPCC), Carlos Nobre (IEA) e Marcos Buckeridge (vice-diretor do IEA; IB-USP).

A relatoria será de Fernanda Resende e Adriana Grandis (ambas do IB-USP). Além de ser um dos expositores, Buckeridge fará a moderação do encontro.

Cenário extremo

Buckeridge ressalta que as chuvas que se abateram sobre o RS este mês constituíram um dos maiores eventos extremos no País atribuíveis às mudanças climáticas globais: “Mais de duas semanas depois de seu início, o evento ainda está em curso, tal a quantidade de água das chuvas, a complexidade meteorológica do fenômeno e os efeitos devastadores sobre as populações; praticamente todo o Estado entrou em calamidade, com inundações em mais de 400 cidades, centenas de vidas ceifadas [no dia 14, eram 147 mortos e 127 desaparecidos], dezenas de milhares de desabrigados e um prejuízo ainda difícil de calcular”.

Ele destaca que eventos climáticos extremos têm estado entre os principais avisos que os cientistas vêm dando há mais de trinta anos ao mundo, período em que enchentes e queimadas vêm se tornando cada vez mais frequentes e afetando um número cada vez maior de pessoas.

Buckeridge lembra que algumas ações têm sido tomadas, principalmente em países ricos, como planos de contingência e sistemas de aviso à população. “Mesmo assim, eventos extremos se repetem em alguns locais. São regiões de encostas ou regiões alagáveis já bem conhecidas, que sinalizam claramente o aumento de frequência.”

.

*Da Assessoria de Comunicação do IEA-USP


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.